Autocuidado durante a gravidez | Inspirações ayurvédicas para a gestação

Na Ayurveda, a gravidez é vista como um momento muito especial e espiritual na vida de uma mulher. É frequentemente relatado que a aura da mulher grávida é particularmente luminosa e dourada – esta é a explicação da Ayurveda para o conhecido e intangível “brilho da gravidez”. Este é um momento em que as habilidades intuitivas da mulher ficam particularmente altas e a meditação e outras práticas espirituais são altamente recomendadas.

A gravidez também pode ser um momento desafiador da vida, pois o corpo da mãe passa por inúmeras mudanças, a fim de criar e apoiar o desenvolvimento de uma nova vida. É por isso importante equilibrar o Vata, que é a energia do ar e do espaço, que domina o sistema nervoso, e articula e ajusta as mudanças no nosso corpo. O Apana Vata, em particular, é o fluxo de energia em movimento descendente no corpo, que intervém fortemente no parto, e que não deve ser muito forte nem muito fraco ao longo da gravidez. O distúrbio emocional mais comum causado pelo excesso de Vata é a ansiedade, que tem a tendência para desequilibrar o Apana Vata em particular. Uma alimentação correta, descanso e óleo de massagem são habitualmente prescritos para restaurar o equilíbrio.

Na Ayurveda são feitas recomendações e ajustes de acordo com o desenvolvimento do bebé, mês a mês. Estas recomendações são acompanhadas de sugestões para alimentação, rotina diária, yoga asanas, meditação e fitoterapia. Descrição mês a mês da gravidez usando textos clássicos e pesquisas atuais:

Mês 1: é gerada uma substância gelatinosa, do qual o embrião é formado, e após ter viajado pela trompa de Falópio, incorpora o revestimento grosso do útero, onde se liga aos vasos sanguíneos da mãe. A fertilização e implantação na parede uterina ocorrem. O cérebro, o coração e a medula espinhal do bebé começam a formar-se. O bebé tem 12,7mm de comprimento. A Ayurveda recomenda que a gestante consuma comida saudável de manhã e à noite. Beba leite regularmente; pode ser tomado frio (o que aumenta o Kapha, e a construção dos tecidos).

Mês 2: As moléculas de ar, fogo, terra, água e éter são acionadas por Pitta, Vata e Kapha – uma forma alongada indica uma fêmea, uma aparência semelhante a um nódulo indica um macho, e uma forma semelhante a um tumor indica ausência de sexo.’ O embrião flutua num saco cheio de líquido; tem um cérebro simples, coluna vertebral e sistema nervoso central. Os sistemas digestivo e respiratório começam a desenvolver-se. O coração do bebé começa a bater, e o sangue a circular, o tubo neural ao longo das costas do bebé fecha-se, o cordão umbilical aparece e os dedos formam-se. A gestante deve consumir leite cozido com ervas com sabor doce. No decorrer da sexta semana, ocorre a ancoragem da Alma que vai encarnar.

Mês 3: Aparecem todos os sentidos e os membros, bem como os seus órgãos. Aparecem os nódulos que formarão as mãos, as pernas e a cabeça. O feto possui todos os órgãos dos sentidos e também membros completamente formados, incluindo os dedos das mãos e dos pés. O movimento começa, os neurónios multiplicam-se, o sexo pode ser aparente e as unhas das mãos e dos pés aparecem. O bebé tem 7,62cm de comprimento e pesa 22,7 gramas. Recomenda-se a toma de leite misturado com mel e ghee, e de arroz sastika com leite. O arroz sastika é untuoso, doce, fácil de digerir, frio, pacifica o Vata, o Pitta e o Kapha, e permanece por muito tempo dentro do sistema digestivo.

Mês 4: a mãe sente excesso de peso no seu corpo devido à estabilização do feto. Todos os membros e órgãos tornam-se mais distintos; um visco do coração permite que a consciência se forme. Os desejos do coração são assim manifestos à mãe e devem ser seguidos para que o bebé nasça bem formado. O feto tem pescoço, e articulações nos braços e pernas. Os ossos duros começam a desenvolver-se. O bebé flexiona e chuta, os efeitos hormonais são aparentes, a pele começa a formar-se e as expressões faciais são possíveis. O bebé tem entre 4 a 5 centímetros de comprimento e pesa pouco menos de 85 gramas. A gestante deve consumir leite com 12g de manteiga, arroz sastika com coalhada, e sopa feita com carne de animal selvagem.

Durante o mês de 4º mês, é importante que a mãe tenha um relacionamento feliz, especialmente com o pai. Isso ocorre porque o coração desenvolve-se como sede da consciência. Se houver distúrbios durante esse período, o coração do bebé poderá desenvolver defeitos. Antes desse tempo o bebé está conectado apenas por projeção astral, contudo após esse período o corpo mental do bebé fica conectado ao corpo físico.

Mês 5: Há um aumento na carne e no sangue do feto; a mãe pode ficar mais magra. O feto ancora a mente (manas) e acorda do seu sono de existência subconsciente. O feto é bastante ativo, chutando e girando. Os órgãos sexuais são visíveis e há uma cobertura fina e peluda chamada lanugo que se desenvolve. As reservas de gordura começam a desenvolver-se, o bebé começa a ouvir, o movimento começa a acontecer, a urina é produzida e as sobrancelhas aparecem. O bebé tem 15cm de comprimento e pesa cerca de 255g.  Recomenda-se que a gestante inclua o ghee, arroz sastika com leite, e leite com ghee na sua alimentação.

Por volta do mês de 5º mês, o umbigo da mãe começa a projetar-se. O ponto do umbigo é onde 72.000 terminações nervosas (nadis) se unem logo abaixo do umbigo. Essas terminações nervosas ficam mais expostas às vibrações externas. A capacidade da mãe de sentir o seu ambiente e as pessoas ao seu redor fica amplificada. Essa sensibilidade precisa ser respeitada e usada como método de proteção para a mãe e para o bebé.

Mês 6: Há um aumento na força e aparência do feto; a mãe pode perder a força e a tez. A cognição (buddhi) entra no feto. O feto endireita-se e torna-se ereto. Um revestimento branco-acinzentado aqueijado chamado vernix cobre a pele. As glândulas sudoríparas formam-se. A medula óssea começa a produzir células sanguíneas, o paladar desenvolve-se, a prática da respiração ocorre quando o líquido amniótico se move para dentro e para fora dos pulmões, um ciclo regular de sono e vigília aparece e as impressões digitais formam-se. O bebé pesa entre 453g a 907g. A mãe deve tomar ghee cozido com ervas doces, incluir arroz sastika com ghee, e mingau com manteiga clarificada na sua rotina alimentar.

Mês 7: Há um desenvolvimento geral no feto; a mãe pode tornar-se sensível em todos os aspectos da sua saúde. Todos os membros do corpo são desenvolvidos. A gordura começa a acumular-se sob a pele e o cérebro desenvolve-se bastante. O bebé pode chuchar o polegar e responder com características faciais a diferentes gostos. Os olhos podem abrir e fechar, os seus movimentos são fortes e soluços podem ser expelidos. O bebé pesa entre 1,3kg a 1,8kg.  Os alimentos devem ter um sabor doce e aliviar o Vata. Devem ser tomadas pequenas quantidades de comida, com pouca adição de sal ou gordura. A água pode ser tomada em pequenas quantidades. Se surgir comichão no peito devido à pressão do feto, pode ser feita uma massagem na área.

Mês 8: O Ojas move-se para frente e para trás entre a mãe e o bebé. A mãe pode experimentar um sentimento vacilante de tristeza e alegria devido a esse movimento. É muito importante a mãe descansar durante esse período de tempo, e consumir alimentos que reforcem o ojas. A mãe deve evitar desperdiçar energia, e deve permitir que a energia entre em si e permaneça. A instabilidade dos ojas torna pouco seguro o parto durante este mês. A cabeça do bebé agora é proporcional ao resto do bebé. Devem haver pelo menos 10 movimentos a cada 2 horas, contudo serão menos fortes. Os olhos podem contrair, dilatar e detectar luz. O bebé tem de 40 a 48cm de comprimento e pesa cerca de 2,7kg. A gestante deve consumir  leite e o mingau  com ghee. Um enema deve ser administrado para restaurar o sistema nervoso e limpar os intestinos – que deve ser seguido por um enema feito de óleo preparado com leite e ervas. A mãe deve evitar excesso de trabalho, preocupação, raiva, fome, sexo, tristeza e comida desvitalizada.

Mês 9: O parto normal ocorre entre o início do  8º mês e o final do 10º mês (contando os meses lunares de 4 semanas). A maioria dos cabelos e vernix lanugo foram libertos, e surge a carne colorida e gorda. O bebé muda para a posição de cabeça para baixo. A gordura continua a acumular-se, a função dos órgãos melhora e a placenta fornece anticorpos. O bebé tem de 48 a 53cm e pesa entre 3,1 a 3,6kg. A gestante deve receber  um enema de óleo fervido com ervas doces. Pedaços de algodão embebidos neste óleo devem ser mantidos na vagina para olear o útero e o trato genital. Apoiará o amolecimento da placenta, da pelve, cintura, laterais do peito e costas; o movimento descendente de Vata; a normalização da urina e das fezes; o amolecimento da pele e unhas; a promoção da força e aparência; e o parto com maior facilidade.

Autocuidado ayurvédico a ser seguido durante a gravidez

Incorporar gorduras e óleos na dieta. É vital que uma mulher grávida consuma gorduras e óleos suficientes, para ajudá-la a ganhar peso suficiente durante a gravidez, e também para ajudar o cérebro do bebé a desenvolver-se. As gorduras e os óleos também equilibram o Vata, que é dominante. As gorduras saudáveis podem incluir: leite integral orgânico, óleo de coco, azeite, nozes (amêndoas, nozes, castanha de caju, avelãs), sementes (girassol, abóbora) e abacate. Favorecer os laticínios crus e orgânicos se possível. Cozinhar com ghee (manteiga clarificada) ajuda a promover a digestão, que pode ser irregular durante a gravidez, quando o Vata é dominante. Todas as ervas ayurvédicas são solúveis em gordura – isso significa que os seus nutrientes são entregues com mais eficiência às células e tecidos quando acompanhados por uma gordura saudável.

Uma dica da Ayurveda para ajudar a imunidade e vitalidade do bebé é a toma de uma colher de ghee (o elixir dourado da vida) por dia, até ao fim da gravidez.

Antes de dormir, a gestante deve tomar uma dose regular de leite de açafrão (golden milk), para aumentar a vitalidade: Derreter 1/2 colher de chá de açafrão da índia em pó com 1/2 colher de chá de pó de cardamomo numa chávena de leite morno no fogão. Quando as especiarias tiverem sido assimiladas pelo leite, adicionar 1 colher de chá de mel cru. Isso ajudará na digestão, acalmará os nervos e ajudará no sono profundo.

Comer Sattvico. Na Ayurveda, quando um alimento é sattvico, significa que ele é puro, saudável e fresco. Isso significa: evitar as sobras e os alimentos processados. É aconselhável comprar produtos orgânicos e sem OGM. Uma futura mãe precisa de consumir alimentos puros e facilmente digeríveis que nutrem o dhatus ou os tecidos dela e do bebé. Além disso, alimentos cozidos são melhores do que crus (à exceção da fruta) durante a gravidez, pois os alimentos crus tendem a agravar a digestão.

Diz-se que uma dieta sattvica aumenta as qualidades de pureza e clareza na mente. Alimentos sátvicos e básicos, como laticínios orgânicos, nozes, grãos integrais, feijões, frutas e vegetais cozidos frescos, fornecem prana, ou força vital cósmica, ao corpo. Eles também ajudam a criar ojas, ou vitalidade, na mãe e no seu bebé.

A ingestão de vegetais é extremamente importante. Verduras escuras e folhosas, como couve, couve, brócolos e alface verde, bem como abóboras, batata-doce e cenoura devem ser consumidas diariamente. Uma grande variedade de vitaminas e nutrientes será fornecida por esses vegetais. Ghee, leite, tâmaras, damascos e sementes de sésamo são todos recomendados.  Os alimentos tamásicos geralmente produzem ama em vez de ojas. São difíceis de digerir alimentos como carne, ovos, álcool, queijo envelhecido, sobras, alimentos fermentados, cogumelos, cebola, alho e amendoim.

“A mãe deve receber o que quiser durante esse período, exceto talvez os alimentos que são prejudiciais ao feto.” A negação dos desejos pode levar ao agravamento do Vata. Até coisas prejudiciais podem ser usadas se forem processadas ou combinadas com coisas saudáveis. A gratificação dos desejos da mãe resultará num filho forte, duradouro e virtuoso.” Uma não gratificação de qualquer prazer sensual da sua mãe durante a gestação tende a afetar dolorosamente o órgão sensorial associado na criança.

Ingerir todos os 6 sabores (doce, ácido, salgado, picante, amargo e adstringente), com ênfase no doce, ácido e salgado. Exemplos incluem laticínios (leite integral, manteiga e iogurte), adoçantes (mel e açúcar natural), óleos (azeite e ghee), frutas, legumes, feijão (feijão mung ou mung dahl), especiarias (erva-doce, cominhos e gengibre) e nozes (amêndoas descascadas) .

A forma como os alimentos são ingeridos é tão importante quanto o alimento. A mãe deve sentir-se leve, feliz e satisfeita após a refeição. Ela deve evitar sentir-se desconfortável, sentir gases ou dores, ou sentir-se entediada. A refeição principal deve ser feita ao meio-dia, esperar pelo menos 3 horas entre as refeições e sentar-se enquanto come. Evitar comer demais.

É necessário o maior cuidado durante o primeiro e o último trimestre. Durante o primeiro trimestre, deve-se enfatizar a nutrição do leito uterino, consumindo alimentos que ajudam o rasa e o rakta: frutas suculentas, água de coco e leite. Durante o último trimestre, deve haver menos gordura, menos sal e menos água na dieta.

“A nutrição excelente inclui água pura, respiração controlada, luz abundante, relacionamentos amorosos  respeitosos, beleza e harmonia na vida quotidiana, pensamentos positivos e alegres, e alimentos vitalizantes”.

“Se incluir carne, peixe, aves e ovos na sua dieta agora, NÃO tente mudar drasticamente a sua dieta durante a gravidez. Isso pode desencadear uma libertação de toxinas no bebé, pois o corpo precisará de usar enzimas digestivas diferentes para construir e assimilar proteínas vegetais em vez de proteínas animais “. É importante para todos, mas especialmente para os que optam por comer carne, garantir que o sistema de eliminação funcione adequadamente.

Nutrir o corpo e a mente através da massagem com óleo. Mais importante, nutrir todos os sentidos, já que todas as experiências vividas pela mãe durante a gravidez são de imediato experienciadas pelo bebé. Pode ser feita uma massagem diária muito suave, com óleos ayurvédicos de aquecimento e enraizamento para nutrir a mente, corpo e espírito, da mãe assim como do bebé.

Em sânscrito, a palavra sneha significa “óleo” e “amor”. Abhyanga, sânscrito para “massagem com óleo”, e “mãos amorosas”, é um ritual ayurvédico atemporal. A aplicação de óleo de sésamo morno no corpo é enraizante e relaxante, e proporciona estabilidade e calor. Este ritual liberta o stress e a fadiga, trazendo amor à mãe e ao seu bebé, além de ajudar a diminuir as estrias, restaurar a elasticidade da pele e aliviar a comichão na barriga. Um banho ou chuveiro quente após a abhyanga ajuda a abrir os canais de circulação. A massagem nos mamilos é recomendada após o mês de 4º mês.

A massagem nos pés também pode ser usada para ajudar a equilibrar o Vata. A energia será mantida a fluir por todo o corpo e todos os sistemas serão estimulados. Esta é uma excelente atividade para o parceiro realizar. Usar óleo de sésamo ou amêndoa. Banhos quentes também são uma opção que pode relaxar os músculos, permitindo uma melhor circulação e impedindo a estagnação de toxinas.

Rotina diária

Dois dos principais componentes de uma rotina diária é deitar cedo e acordar cedo. É importante a gestante ir para a cama durante o horário kapha do dia (das 18:00 às 22:00). É mais fácil adormecer e dormir será mais tranquilo. É importante acordar antes da hora do dia kapha (das 06:00 às 10:00). Energia, vitalidade e estado de alerta são maiores se acordar antes das 6 da manhã. Devem ser evitadas sestas, exceto durante os meses quentes de verão. O descanso deve ser frequente, e antes de se sentir cansada. O descanso é especialmente necessário nos dois primeiros meses de gravidez e nos últimos dois meses.

Um banho de assento é recomendado algumas vezes por semana ou todas as noites nas últimas 6 semanas antes do nascimento. Um punhado de flores de tília embebidas num litro de água e adicionadas ao banho ajudará a amolecer o períneo.

Yoga Asanas

Asanas de caminhada, natação e ioga são os melhores exercícios. Todos os asanas normais podem ser praticados durante o primeiro trimestre. Durante o 2º e o 3º trimestres, deve-se evitar exercer pressão sobre o abdómen; exemplos seriam  a cobra (bhujangasana) e postura do arco (dhanurasana). Posturas invertidas não devem ser praticadas durante o terceiro trimestre. Os melhores asanas incentivam a abertura pélvica e do quadril; isso pode ser feito sentada ou em pé. Os exemplos incluem a posição sentada em ângulo limitado (baddha konasana) e as pernas abertas dobradas para a frente (upavista konasana). Posturas que promovem a flexibilidade e a força da coluna também são boas. Um estudo realizado no Hospital Cirúrgico e Maternidade de Gunasheela, em Bangalore na Índia, determinou que o ioga é seguro, melhora o peso, e diminui o parto prematuro e a hipertensão induzida pela gravidez.

Meditação

Durante a gravidez, a mulher encontra-se mais brilhante, rodeada de uma aura dourada e brilhante, e naturalmente mais sintonizada com a sua intuição, e com a Luz à sua volta. A gravidez é um momento privilegiado para desenvolver um contacto maior com a sua espiritualidade, fazer leituras profundas, trabalhar a intuição e a perceção, e realizar muita meditação.

Ao longo da gravidez os ciclos naturais da mãe e do bebé tendem a entrar em coordenação um com o outro. Torna-se por isso importante que a mãe medite, e mantenha o seu equilíbrio interior pelos dois, já que havendo duas vontades presentes, a tendência para o desequilíbrio é maior.

A meditação é também fundamental para ajudar a construir o espaço para o relaxamento do corpo, que será a base para um parto mais fácil e rápido. É importante trabalhar também o foco na respiração e aprender a controlar as vagas emocionais naturais, que acompanham a mudança hormonal que ocorre durante a gravidez.

Felicidade

Na cultura indiana acredita-se que, para que o bebé seja feliz, a mãe deve ser feliz. A mãe deve descansar mais, e o pai e os sogros ajudam nas tarefas domésticas. A música pode desempenhar um papel importante na felicidade e na rotina diária. Vários estudos demonstraram que a música reconfortante e relaxante ajuda a aumentar a inteligência do bebé.

A mãe precisa de um espírito alegre claro e de um corpo limpo. Ela deve usar roupas limpas e brancas. Ela deve evitar visões terríveis, sons dolorosos ou emoções agitadoras (raiva, medo, etc.). Ela deve evitar carregar cargas pesadas ou falar em voz alta.

Os bebés são capazes de ter memórias da experiência pré-natal e aprender enquanto estão no útero. As crianças têm lembranças de incidentes, lembram-se da música tocada e demonstraram conhecimento das disciplinas académicas ensinadas. Os bebés também se recordam de memórias dolorosas. Quando os pais tendem a discutir durante a gravidez, a criança tende  a ter mais problemas de saúde. A criança no útero sente dor na mesma parte do corpo que aquela em que a mãe a sente; essa dor pode permanecer após o parto, ou tornar-se uma debilidade física no organismo da criança.

Desafios

Muitos dos desafios de saúde da gravidez podem ser evitados prestando atenção à nutrição. O baixo nível de açúcar no sangue contribui para mudanças de humor e enjoos matinais. O cálcio insuficiente contribui para hipertensão, dores nas costas, e dores de parto severas. A falta de nutrientes também contribui para varizes, obstipação, anemia, hemorroidas e descoloração da pele. A pré-eclâmpsia pode estar ligada à desnutrição aguda.

O melhor método para lidar com os desafios é resolver condições desequilibradas antes da gravidez. A gravidez aumenta todos os três doshas: vata com mudança e expansão, pitta com metabolismo e calor aumentados, e kapha com aumento da massa corporal. Essas mudanças afetam a constituição da mulher, bem como interagem com a constituição do bebé e as influências ambientais.  A prevenção é a abordagem mais simples para manter o equilíbrio.

Os textos clássicos descrevem nove doenças relacionadas com a gravidez: anorexia, náusea, secura da boca, vómitos, edema, febre, anemia, retenção de urina e diarreia.

Fitoterapia

A utilização de qualquer planta deve ser cuidadosamente ponderada durante a gravidez, já que o corpo da mulher se encontra num estado de constante mudança, desprovido da capacidade natural de ajuste ou reflexo de proteção face a uma nova substância, e uma tolerância diferente a substâncias que tem o hábito de ingerir. A ingestão de qualquer planta deve ser feita seguindo a recomendação de um médico ayurvédico, terapeuta, parteira ou doula.

As plantas usadas durante a gravidez são escolhidas sobretudo pelo seu valor nutritivo. Plantas emenagogas (abortivas), purgativas e ervas tóxicas geralmente devem ser evitadas, assim como plantas muito quentes ou muito frias,  e as plantas picantes e amargas devem ser usadas com cuidado. Para reconstruir o tecido reprodutivo são úteis: ashwagandha, bala, shatavari, musali branco e kapikacchu. O Chyavanprash é recomendado. As mulheres Pitta sentem-se melhor com a shatavari, e às mulheres Kapha é mais recomendado o  cardamomo, a erva-doce e o manjericão.

As infusões de plantas podem complementar a necessidade de aumento da nutrição. Recomendam-se infusões de folhas de urtigas de framboesa vermelha para mulheres Pitta ou Kapha, e a infusão de aveia é recomendada para o Vata.

A Aromaterapia é outro método de usar ervas. Alguns óleos essenciais considerados seguros para uso durante a gravidez incluem a tangerina, a toranja, a camomila romana, o gerânio, a rosa, a camomila, o ylang ylang, a lavenda e o jasmim. O Mitti Attar (terra cozida) é um óleo de pacificação do Vata que é esfregado na barriga de uma mulher grávida quando o bebé está muito ativo. Incluídos nos óleos desadequados durante a gravidez estão o manjericão, a canela, o cravinho da índia, a hortelã pimenta, o tomilho. A pesquisa é necessária antes da utilização, como em qualquer planta.