Cativar os Doshas | Vata, Pitta e Kapha na Relação

Na Ayurveda toda a matéria vibrante é constituída pelos cinco Elementos da Natureza: Terra, Água, Fogo, Ar e Éter. Os cinco Elementos envolvem-se, interagem e enamoram-se originando por sua vez as constituições básicas da Ayurveda, ou Prakriti, compostas pelo Vata (Éter e Ar), o Pitta (Fogo e Água) e o Kapha (Terra e Água). Somos todos constituídos por uma composição única e dinâmica dos Doshas, e entendermos a sua interação na nossa fisiologia e também na nossa personalidade ajudam-nos a aceitarmos com maior tranquilidade as nossas preferências, ideais, rotinas (ou a falta delas), hábitos e características específicas, que tão facilmente dão cor e interferem nos nossos relacionamentos. Compreendermos a nossa constituição e a do nosso parceiro é uma mais valia para construção de uma relação mais fluida e bem-sucedida.

Os tipo Vata

Os Vata são naturalmente espontâneos, leves, criativos, expressivos e desordenados. Os planos que elaboram são frequentemente instáveis e mutáveis. Eles aprendem rapidamente, esquecem rápida e facilmente os seus compromissos, e são bastante charmosos, poéticos e leves na forma como se libertam do peso de uma tarefa ou acordo em falta, por isso é importante levar com leveza as promessas do Vata, e abrir espaço para a surpresa e para a mudança de planos.

Quando em equilíbrio, eles são uma companhia estimulante, já que adoram conversar e têm intelectos criativos. Desequilibrados, eles podem ficar stressados, nervosos e preocupados, podendo facilmente constipar-se ou adoecer. Devido à falta do elemento fogo, os Vata tendem a sentirem mais frio, a terem má circulação, sobretudo nos pés e nas mãos, e a terem um sistema digestivo mais fraco. Pela ausência do elemento terra, os Vata podem facilmente desenraizar-se e dispersar. No corpo o desequilíbrio manifesta-se como insónia, obstipação, e  um sistema nervoso delicado e hipersensível, sobretudo a estímulos externos, ruídos e luzes a piscar . O desafio emocional maior do Vata é a ansiedade e o medo (por vezes irracional), que os deixam instáveis e inseguros, sendo por isso importante ajudar a dissipar a preocupação, com palavras amorosas, ânimo, esperança, confiança e enraizamento. A resistência do Vata é a mais baixa de todos os Doshas, devendo por isso praticar exercícios moderados e serem mimados com pequenos lanches, já que se esquecem de comer e se cansam mais facilmente.

Como o vento, eles movem-se rapidamente, falam rápido e flutuam de ideia em ideia. São como borboletas sociais, os artísticos, os dançarinos e os sonhadores. Filmes, músicas, festas e / ou sons altos ou cheios de suspense podem criar desequilíbrio nos tipos Vata, sendo mais aconselhável passeios em dias solarengos na natureza ou atividades partilhadas que enraízem. Os Vata tendem a ser secos e frios por constituição, e períodos prolongados em clima rigoroso provavelmente resultarão em desconforto, aconselhando-se trazer um casaco ou coberta extra para manter o Vata aconchegado. É importante limitar o tempo ao ar livre em climas frios / ventosos / áridos, e planear momentos que tragam calor, uma bebida quentinha e alimentos calmantes, oleosos e cozidos.

Os tipos Vata têm dificuldade em adormecer, dormir em novos ambientes, com novos estímulos e / ou com pessoas. Um cobertor pesado (sobretudo no Inverno), e a integração de rituais do deitar são extremamente importantes para que eles tenham um sono reparador. Reconhecer a importância do sono fará toda a diferença na boa disposição do Vata pela manhã.

É da natureza dos tipos Vata serem inconstantes nas relações, às vezes isso requer algum compromisso real dos seus parceiros, com a garantia de um relacionamento cheio de variedade e emoção se o fizerem. Como os beija-flores, os Vata têm também a tendência para variarem facilmente de parceiro.

Para surpreender um tipo Vata convide-o para uma noitada na galeria de arte, uma peça, um encontro poético, uma volta num parque de diversões, um fim de semana num ashram, ou uma reunião espiritual, uma dança à luz do dia.

A massagem para o tipo Vata pode ser feita com óleo de sésamo quente, e óleos essenciais enraizantes e quentes como a bergamota, o pau-rosa, o gengibre e a canela, e/ou óleos essenciais calmantes como a lavanda ou a laranja doce. Aquecer sobretudo a zona lombar, podendo-se usar uma botija de água quentinha.

Os tipos Pitta

Os tipos Pitta são organizados, motivados, espirituosos, bons líderes, conquistadores, orientados para os objetivos e, por vezes, acesos. Pedir-lhes a opinião ou dar-lhes a oportunidade de sugerir uma ideia é bastante apreciado por eles. Os tipos Pitta são regidos pelo elemento fogo e podem ‘aquecer’ se o seu tempo for pouco valorizado. Fazer alterações ou cancelamentos de última hora causam no Pitta uma primeira impressão pouco favorável. Os Pitta tendem a pensar que as suas ideias e métodos são superiores e, para seu crédito, geralmente são. Eles gostam de precisão e de ideias bem executadas. Uma comunicação clara e um diálogo inteligente são importantes para eles, e eles tendem a informar exatamente aquilo que pensam, o que pode ser desafiante de ouvir. O debate apaixonado com um igual é um caminho certo para abrir o coração de um Pitta.

O desafio emocional dos Pitta é o stress, ao qual tendem a responder com forte irritação, impaciência ou mesmo explosões de raiva no seu extremo. O excesso de calor provocam-lhes facilmente perturbações digestivas e inflamação.  Os tipos Pitta podem ficar naturalmente irritados em dias quentes. É importante manter gel de aloé vera, água de coco e coentros à mão para dias de muito calor e queimaduras solares.

Um bom apetite e um metabolismo rápido são características dos tipo Pitta. Eles gostam de comer, sobretudo se for num local belo, aprumado e bem decorado. E é fundamental cumprir as horas das refeições para evitar lidar com um Pitta esfaimado.

Passeios românticos ao luar, à beira-mar (em horas de menor calor) podem ser muito apreciados pelos tipos Pitta, assim como as atividades ao ar livre, ou um desporto compartilhado oferecem um elemento divertido e competitivo que os tipos Pitta valorizam.

A massagem para o tipo Pitta deve ser executada suavemente com um refrescante óleo de coco, e óleos essenciais calmantes de Gerânio, Ylang Ylang, Rosa, Âmbar e Jasmim.

Os tipos Kapha

Compostos de terra e água, os tipos Kapha são os mais estáveis e firmes dos doshas, com uma energia consistente, metódica e uma resistência considerável. Os Kaphas são devotados, leais e tendem a ter relacionamentos duradouros. A sua energia é semelhante à de um elefante – gradual e significativa. Envolver-se com um Kapha pode levar algum tempo, contudo uma vez que a confiança seja estabelecida, ele torna-se uma mina de ouro de amor e apoio. Os tipos Kapha são criaturas de hábitos, calmos e estáveis, raramente perturbados. Eles têm um grande coração e geralmente são os professores, enfermeiras ou prestadores de cuidados.

Os tipos Kapha são ótimos ouvintes, que ouvem com o coração e fazem contacto visual direto e compassivo. Geralmente falam pouco, a menos que tenham algo importante e significativo a dizer, o que pode parecer uma conversa unilateral no início. Eles prestam atenção aos detalhes e aos gestos carinhosos, e embora sejam pouco eloquentes são totalmente confiáveis.

Os tipos Kapha adoram comer, e tem rotinas alimentares estanques ficando perfeitamente contentes em tomar o mesmo pequeno-almoço todos os dias por toda a vida. A comida é uma paixão para eles e eles apreciam muito mimos comestíveis, especialmente refeições caseiras confecionadas com muito amor e com muitos ingredientes frescos e leves (mesmo crus), e uma pitada de especiarias como o gengibre e a pippali. Apesar disso os Kapha têm uma digestão mais lenta e às vezes podem sentir-se letárgicos. Passeios e caminhadas energizantes podem ajudá-los a elevá-los. Eles toleram temperaturas quentes ou frias igualmente, contudo tendem a preferir ambientes e climas quentes e secos.

Desequilibrados, os Kapha podem viciar-se em rotinas letárgicas, como programas televisivos monótonos e repetitivos e muitas horas de sofá. Isto pode levar o Kapha à tristeza, à falta de motivação e apatia, ao ganho de peso e às alergias. O desafio emocional do Kapha é a melancolia e a depressão. Eles gostam pouco da exposição e de conflitos, e o drama e o confronto farão com que um Kapha gire os calcanhares e caminhe na direção oposta.

A massagem para o tipo Kapha pode ser realizada de forma enérgica com um belo óleo de amêndoas doces, e óleos essenciais estimulantes de Menta, Baunilha, Gengibre, Cravinho e Juniper.

Compreendermos os doshas dos nossos parceiros é uma ferramenta importante para melhorar um relacionamento. Contudo é de evitar diagnosticar e julgar o outro, pois na verdade somos únicos, e manifestamos todos várias facetas de cada dosha no nosso interior. Quando duas pessoas se encontram ambas a trabalhar a sua própria auto-aceitação, existe o potencial para se criar um relacionamento profundo e sattvico. Quando na relação, para além do dosha, o casal se sente atraído pela natureza harmoniosa, equilibrada e altruísta dos pensamentos e ações de cada um – ambos movendo-se na direção de uma natureza mais amorosa e recetiva -, influenciam diretamente a forma como se expressam no dentro do relacionamento e, como casal, no mundo exterior.

Chyanwanprash | o tónico ayurvédico para uma vida longa

O Chyawanprash é uma fórmula ayurvédica à base de plantas, composto por uma mistura muito concentrada de ervas e minerais ricos em nutrientes. Este suplemento ayurvédico foi elaborado com o propósito de restaurar as reservas drenadas de força vital (ojas), preservar a força, as defesas e a vitalidade, impulsionando o sistema imunológico, enquanto abranda o curso do envelhecimento.

O Chyawanprash é elaborado através do processamento de cerca de 50 ervas medicinais e dos seus extratos, incluindo o ingrediente principal, a Amla (groselha indiana), que é uma das maiores fontes mais rica de vitamina C do mundo. A mistura contém também mel, minerais processados, e pós de ervas aromáticas (cravinho-da-índia, cardamomo e canela). O produto final tem consistência semelhante a uma compota de frutas e sabor doce, ácido, amargo, adstringente e picante.

A primeira receita historicamente documentada de Chyawanprash aparece no Charak Samhita, um dos principais Compêndios da Ayurveda. Depois deste, muitos outros livros ayurvédicos descreveram o método de elaborar o Chyawanprash, com algumas alterações consideradas aceitáveis porque o método básico de preparação permaneceu o mesmo, e todas as fórmulas compartilham os principais benefícios similares aos do Chyawanprash.

A palavra Chyawanprash é composta por duas palavras, “chyawan” e “prash”. O nome atípico do Chyawanprash origina-se da lenda de Chyawan Rishi, um sábio da floresta. Vários tratados sagrados antigos, como o Mahabharata, o Puranas etc., descrevem como os irmãos gémeos Ashwini Kumar (os médicos reais dos deuses durante a era védica) inventaram essa preparação para tornar o sábio Chyawan Rishi mais jovem e melhorar a sua vitalidade e força. Em sânscrito, ‘prash’ significa comida especialmente preparada, medicamento ou alimento adequado para consumo. O Chyawanprash é, de facto, um tónico metabólico abrangente que é usado para promover a saúde, e ao mesmo tempo para prevenir doenças. Foi considerado por muitos especialistas como um complemento essencial à saúde, e tem sido amplamente utilizado desde os tempos antigos como um medicamento para melhorar a imunidade e a longevidade. Foi um dos alimentos mais apreciados por retardar o envelhecimento, com um propósito preventivo semelhante ao de uma vacina, muito antes de surgirem vitaminas, minerais e suplementos antioxidantes.

Na Rasayana, um dos ramos da Ayurveda, inclui várias abordagens especializadas destinadas a prolongar a vida, prevenir o envelhecimento e as doenças, eliminar processos degenerativos e promover uma saúde excelente. De todas as formulações Rasayana enumeradas durante os períodos clássico e medieval, o Chyawanprash destaca-se como a mais importante, e o mais eficaz para sustentar a homeostase. Na ingestão regular, mantém as funções fisiológicas e rejuvenesce todo o sistema corporal. Esta formulação fez grandes avanços como um produto sem receita desde que entrou no mercado de consumido na década de 1950. É altamente apreciado por possuir vários benefícios à saúde.

Composição do Chyawanprash

O Chyawanprash é uma pasta antioxidante que pertence, em virtude da sua consistência e dosagem, à categoria Awaleha (compotas de ervas), um dos grupos de formulações ayurvédicas. Normalmente, o Chyawanprash inclui quatro classes de medicamentos fitoterápicos: a classe Dashmula (dez raízes); a classe Chaturjata (quatro plantas aromáticas); Ashtavarga (ervas medicinais do Himalaia do Noroeste, que não estão disponíveis comercialmente na era moderna: jivaka, rishabhaka, meda, maha meda, kakoli, ksheer kakoli, ridhi e vridhi); e uma classe geral (materiais que não pertencem às classes anteriores).

Entre os ingredientes do Chyawanprash encontramos: Bilva (Aegle marmelos), Agnimantha (Clerodendrum phlomidis), Shyonaka (Oroxylum indicum), Kashmarya (Gmelina arborea), Patala (Stereospermum suaveolens), Bala (Sida cordifolia), Mashaparni (Teramnus labialis), Mudgaparni (Phaseolus trilobus), Shalaparni (Desmodium gangeticum), Prishniparni (Uraria picta), Pippali (Piper longum), Shvadamstra ou gokshura (Tribulus terrestris), Brihati (Solanum indicum), Kantakari (Solanum surattense), Shringi (Pistacia chinensis), Tamalaki (Phyllanthus niruri), Draksha (Vitis vinifera), Jivanti (Leptadenia reticulata), Pushkara (Inula racemosa), Aguru (Aquilaria agallocha), Haritaki (Terminalia chebula), Guduchi (Tinospora cordifolia), Riddhi (Habenaria intermedia), Vridhi (Habenaria edgeworthii), Jivaka (Malaxis acuminata), Rishabhaka (Malaxis mucifera), Shati (Heydichum spicatum), Musta (Cyperus rotundus), Punarnava (Boerhavia diffusa), Meda (Polygonatum verticillatum), Maha meda (Polygonatum cirrhifolium), Sukshma Ela (Elettaria cardamomum), Chandana (álbum de Santalum), Utpala (Nymphaea stellata), Vidari (Pueraria tuberosa), Vrusha ou vasa (Adhatoda vasica), Kakoli (Roscoea pupurea), Ksheer Kakoli (Lilium polphyllum), Kakanasika (Martynia annua).

Algumas das plantas incluídas na fórmula do Chyawanprash estão incluídas na categoria de plantas medicinais raras. Assim, de acordo com os livros didáticos ayurvédicos, essas ervas foram substituídas por outras com qualidades comuns, entre elas a Shatavari (Asparagus racemosus), Vidari kanda (Pueraria tuberosa), Varahi kanda (Dioscorea bulbifera) e Ashwagandha (Withania somnifera).

Habitualmente é adicionado mel, ghee e o óleo de sésamo ao Chyawanprash que servem como yogavahis. Yogavahi é um termo sânscrito que significa agente catalítico. Ele carrega as qualidades daquela coisa ou substância com a qual está associado na combinação, juntamente com as suas próprias qualidades. Isso permite que as ervas sejam transportadas e assimiladas de forma profunda pelos tecidos corporais.  O açúcar adicionado ao Chyawanprash é considerado um samvahaka dravya. Samvahaka significa que atua como uma substância conservante. Ajuda a manter a eficácia do ingrediente principal.

Benefícios do Chyawanprash

O Chyawanprash ajuda a equilibrar os três doshas – Vata, Pitta e Kapha (humores corporais/bioenergias que regulam a estrutura e as biofunções do corpo humano). Estudos contemporâneos corroboram e validam as antigas reivindicações e crenças tradicionais a respeito do uso terapêutico do Chyawanprash. Os ingredientes à base de plantas e condimentos ajudam a condensar o sistema circulatório, canalizando assim a remoção das toxinas de tecidos distantes e dos órgãos viscerais.

Este complexo herbal milenar é utilizado em toda a Índia como preventivo e curativo para todo o tipo de debilidades, sendo tradicionalmente administrado em pequenas quantidades, juntamente com uma bebida ou enquanto condimento. Tem uma ação generalista e ativa, prevenindo a ocorrência de eventuais problemas de saúde graves. Enquanto curativo, atua ao nível da capacidade de recuperação do organismo. Para além disto, promove ainda uma ação sinergética e reequilibrante dos órgãos. Do ponto de vista fitoterápico é uma fórmula particularmente equilibrada pois as plantas que a constituem são cuidadosamente selecionadas e harmonizadas, de modo a prevenir que as suas ações se anulem ou incompatibilizem.

O Chyawanprash tem sido uma parte consistente da tradição indiana como alimento funcional e nutracêutico nos últimos 5000 anos, tendo mantido a sua importância devido aos seus inigualáveis benefícios. A fórmula do Chyawanprash possui vitaminas, proteínas, fibras alimentares, conteúdo energético, hidratos de carbono, baixo teor de gordura (zero por cento de colesterol), níveis apreciáveis de oligoelementos principais e secundários, e carotenóides que atuam como micronutrientes para fins revigorantes. Os efeitos antioxidantes sinérgicos da vitamina C, juntamente com a vitamina E os carotenóides, são bem conhecidos. A rica composição nutritiva e as biomoléculas antioxidantes do Chyawanprash atuam isoladamente e sinergicamente para imunomodulação, construção do corpo, restauração da saúde e prevenção de danos oxidativos (uma das principais causas de várias doenças degenerativas).

De uma forma geral o Chyawanprash apresenta propriedades, adaptogénicas, rejuvenescedoras, antisstress, anticancerígenas, imunomoduladoras, cardio-protectora, antioxidantes, vermífugas, anti-helmínticas, antifúngicas, anti-infeciosas, anti-lipídicas, anabólicas, imunitárias, antialérgicas, antissépticas e anti-inflamatórias que derivam do conjunto de propriedades das plantas que entram na sua composição.

O Chyawanprash constrói o Ojas (a essência do corpo, o oitavo tecido de carácter energético) para apoiar um sistema imunológico saudável, proporcionando força, vigor e vitalidade. Indicado nas disfunções respiratórias (bronquites, tuberculose, asma, incluindo também a tosse e as constipações). Atua em situações de ansiedade, desordens urinárias, gota, desordens sexuais, aumentando a resistência sexual no homem. Ajuda a proteger de debilidades gerais, desordens infeciosas e alérgicas. É um fortificante do sistema imunitário, atuando suavemente ao nível do sistema nervoso, digestivo, respiratório e circulatório. É eficaz nas durante a convalescença, em doenças crónicas, e na debilidade geral. Melhora a digestão e o peristaltismo intestinal, promovendo o apetite saudável, e uma evacuação facilitada. Melhora a acuidade e reduz a fadiga mental. Aumenta os níveis de proteína sérica no organismo. Aumenta os níveis de hemoglobina, reequilibra o Ph sanguíneo, e melhora a coagulação sanguínea. Diminui as desordens debilitantes e de envelhecimento, enquanto induz a longevidade tecidular e orgânica. Rejuvenesce os idosos, e fornece nutrição de qualidade a crianças pequenas. É útil para pessoas emagrecidas devido a lesões no peito, a quem o Chyawanprash fornece nutrição. Constitui um excelente tónico para problemas de garganta e problemas relacionados com a voz. Melhora a inteligência, e pode melhorar a memória. Ajuda a tornar a pele brilhante, e fomenta os processos de cicatrização. Aumenta a força e resistência. Fornece força aos órgãos dos sentidos.

Como tomar o Chyawanprash

Recomenda-se tomar 1ou 2 colheres de chá de Chyawanprash, uma ou duas vezes ao dia com leite morno ou conforme recomendado pelo médico ayurvédico. O leite é considerado um anupana ou veículo que ajuda a transportar em profundidade as qualidades do Chyawanprash aos tecidos. Algumas pessoas usam Chyawanprash como uma compota que espalham sobre o pão ou as torradas. Contudo, o método ideal e autêntico de tomá-lo é ingeri-lo com leite. As crianças devem tomar apenas meia colher de chá de Chyawanprash. A toma pode ser iniciada após os três anos de idade. É recomendável o recurso ao parecer de um médico ayurvédico ou profissional de saúde antes da utilização deste suplemento alimentar.

Precauções e contra-indicações

Em geral, não há registo de efeitos colaterais associados ao Chyawanprash. De qualquer forma é adequada atenção aquando de uma primeira toma, para se registarem quaisquer distúrbios ou efeitos colaterais. Como contém açúcar, os pacientes diabéticos e pessoas com altos níveis de açúcar no sangue devem evitá-lo. No entanto, o Chyawanprash sem açúcar também foi disponibilizado comercialmente. Deve ser evitado quando se conhece a alergia a algum dos seus componentes. Se existir a toma de algum tipo de medicamento com receita médica, a sua ingestão deve ser feita após a consulta com o médico ou profissional de saúde ayurvédico.

Algumas pessoas acreditam que o Chyawanprash aumenta o peso porque contém manteiga clarificada (ghee) e óleo de sésamo, contudo, essa ideia não tem fundamento. Apesar de conter manteiga clarificada e óleo de sésamo, a quantidade Chyawanprash por colher de chá é mínima para poder causar um ganho de peso. Existem muitas variedades de Chyawanprash. Ele pode aparecer no mercado com muitos sabores. Contudo nos antigos livros ayurvédicos não existe menção a variedades aromatizadas sendo por isso recomendável a ingestão de uma fórmula original.