Definir Limites 🌟 Creating Boundaries

Colocar limites parece, à primeira vista, uma atitude de alguma inflexibilidade e intransigência, no entanto, a sua função é estabelecer uma linha, uma barreira saudável entre duas partes. A palavra limite vem do Latim limes, “caminho entre dois campos, fronteira, sulco”, associada também a limen, que dá origem à palavra limiar 🌟

Dar limites torna-se um reflexo natural quando o processo do Autoconhecimento começa a prevalecer no nosso interior. Só quando começamos a conhecer-nos conseguimos reconhecer a importância de estabelecer o limite entre o que é nosso e o que é do outro, a vários níveis, como uma forma de Auto-respeito e Auto-preservação 🌟

Saber dar limites cria à nossa volta um espaço de Auto-reconhecimento, e cria para o outro uma estrutura de segurança que enquadra o seu possível raio de ação e sossega-o em relação ao que pode esperar de nós 🌟

O limite saudável é uma expressão de maturidade e espelha uma inteligência emocional ativa e desperta. De qualquer forma a própria construção dos limites é pautada pela mudança (como tudo na vida), e ao contrário do expectável, os bons limites requerem discernimento, adaptabilidade e flexibilidade 🌟

Existe Amor no ato de sabermos dizer “Não”, existe Auto-Cuidado e Auto-Respeito na capacidade de reconhecermos o nosso desconforto, e preservarmos o nosso bem-estar sem desconforto nem culpa 🌟

Como seres multidimensionais a maior parte dos nossos limites, sejam eles físicos, emocionais, mentais ou espirituais, estão pouco claros para nós enquanto nós próprias(os) ainda temos por viver e experienciar as situações que nos mostram que um limiar foi atingido 🌟

Por outro lado, temos resistência em impor limites já que isso pode implicar magoarmos alguém que gostamos, e refugiamo-nos também na nossa necessidade de nos sentirmos aceites, amadas(os), reconhecidas(os) que nos impede de sentirmos o à vontade de confrontarmos alguém com o nosso mal-estar, a nossa inquietação, o nosso embaraço 🌟

Trabalharmos os nossos limites requer uma profunda humildade e uma graciosa Auto-Aceitação como Aprendizes da Vida e do Universo, requer também o exercício da gentileza, doçura e assertividade na sua Comunicação 🌟

Michele Pó 🌺

Setting limits seems, at first glance, to be an attitude of some inflexibility and intransigence, however, its function is to establish a line, a healthy barrier between two parties. The word limit comes from the Latin limes, “path between two fields, border, furrow”, also associated with limen, which gives rise to the word threshold 🌟

Setting limits becomes a natural reflex when the process of Self-knowledge begins to prevail within us. Only when we get to know each ourselves can we recognize the importance of establishing the limit between what is ours and what belongs to the other, at various levels, as a form of Self-respect and Self-preservation 🌟

Knowing how to set limits creates a space of Self-recognition around us, and creates a security structure for the other that frames their possible range of action and calms them in relation to what they can expect from us 🌟

The healthy boundary is an expression of maturity and mirrors an active and awakened emotional intelligence. In any case, the very construction of limits is guided by change (like everything in life), and contrary to what’s expectated, good limits require discernment, adaptability and flexibility 🌟

There’s Love in the act of knowing how to say “No”, there is Self-Care and Self-Respect in the ability to recognize our discomfort, and preserve our well-being without guilt 🌟

As multidimensional beings, most of our limits, whether physical, emotional, mental or spiritual, are unclear to us while we ourselves still have to live and experience the situations that show us that a threshold has been reached 🌟

On the other hand, we are reluctant to impose limits as this can imply hurting someone we love, and we also take refuge in our need to feel accepted, loved, recognized, which prevents us from feeling comfortable with confront someone with our discomfort, our restlessness, our embarrassment 🌟

Working on our limits requires deep humility and a graceful Self-Acceptance as Apprentices of Life and of the Universe, it also requires the exercise of kindness, gentleness and assertiveness in your Communication 🌟

Michele Pó 🌺

Ter razão 🌟 To be right

Gostamos de ter razão. Gostamos de sentir que estamos orientadas(os) e que sabemos que direção estamos a seguir. Ter razão é confortável, é seguro, torna o mundo à nossa volta previsível, controlável e limitado 🌟

Contudo, ter razão é um refúgio mental do nosso ego, nasce da necessidade que a nossa Criança Interior tem de se sentir aconchegada e protegida, refugiando-se no universo que conhece, a que chamamos de Zona de Conforto 🌟

Apesar desta necessidade de segurança e controlo, a Vida convida-nos a crescermos para além do mundinho que conhecemos, e ousarmos experimentar, munidas(os) de Força de Vontade e de Coragem, a nossa Zona de Desconforto, o Caos organizado do Universo, as áreas de vida inexploradas e fora do nosso conhecimento 🌟

É através dessa ousadia, desse confiante salto de Fé que encontramos o Amor. O Amor é arriscado, vasto desconhecido e incontrolável, e no entanto, é no seu cerne que encontramos a Sabedoria para aceitarmos todas as Razões, a Tolerância para compreendermos todos os ângulos, e o Auto-Preenchimento que nutre é completa todos os Vazios da nossa Alma 🌟

Michele Pó 🌺

We like to be right. We like to feel that we are oriented and that we know which direction we are going. Being right is comfortable, it’s safe, it makes the world around us predictable, controllable and limited 🌟

However, being right is a mental refuge for our ego, it’s bursts from our Inner Child’s need to feel cozy and protected, taking refuge if in the universe we know, what we call the Comfort Zone 🌟

Despite this need for security and control, Life invites us to grow beyond the little world we know, and to dare to experience, armed with Willpower and Courage, our Discomfort Zone, the organized Chaos of the Universe, the unexplored areas of life outside of our knowledge 🌟

It’s through this boldness, this confident leap of Faith that we find Love. Love is risky, vast unknown and uncontrollable, and yet it’s at its core that we find the Wisdom to accept all Reasons, the Tolerance to understand all angles, and the Self-Filling that nourishes and completes all the Voids of our Soul 🌟

Integrar a Rendição 🌟

Por vezes o Universo presenteia-nos com a manifestação dos nossos maiores desejos e expectativas, só para docemente nos ajudar a compreendermos o quão pouco sabemos do que nos faz bem, do que é bom para nós, do que realmente precisamos 🌟

É atraves dessas experiências e tomadas de consciência do quanto os nossos desejos nos realizam pouco, que começa a nascer gradualmente a Vontade de humildemente nos rendermos, nos entregarmos e confiarmos naquilo que o Universo nos oferece como proposta de Evolução e Consciência 🌟

Michele Pó 🌺

Ritual: tornar o quotidiano sagrado 🌟 Ritual: bringing sacredness to everyday living

Ouvimos, por vezes, dizer que vivemos numa sociedade desritualizada, em que se perdeu a importância de rituais que dão cor, sentido, ritmo e conteúdo à Vida 🌟

Os ritos, do latim ritus, trazem com eles o propósito de permitirem celebrar simbolicamente um mito. Do grego mythos, “conto”, o mito enaltece os feitos e os valores de personagens emblemáticas (heróis e homens santos) e/ou seres sobrenaturais (deuses, monstros) que preenchem a Cultura de uma comunidade com Conteúdo mágico e Valores de referência, que podem ser culturais ou religiosos (religião, que vem de religare, fazer a ligação ao Divino) 🌟

A sociedade torna-se desritualizada quando deixa de aceder à memória sagrada do seu património mitológico, e quando os rituais que celebram a cultura deixam de ser praticados. Morrem os Deuses e os Heróis, e os monstros que eles enfrentam, assim como perece a Coragem, e os Ritos de Passagem, que marcam os eventos significativos, os marcos de crescimento e de Evolução de cada um(a) de nós e da nossa própria comunidade 🌟

Celebramos cada dia de Vida, honramos a saúde do nosso Corpo com todos os rituais diários de Auto-Cuidado, com a qualidade dos alimentos que ingerimos, com os Ritos para isso noite descansada 🌟

Celebrarmos o nosso aniversário é integrarmos toda a sabedoria, profundidade, experiência ganha no decurso de um ano; soma riqueza e Sabedoria ao nosso Ser 🌟

Celebrarmos as nossas relações, o casamento, é comemorarmos o Encontro, reafirmar os votos, relembrar a razão pela qual convergimos com alguém, e quanto mais celebramos mais mantemos a (bendita) chama acesa, aquela que facilmente esmorece no ram ram do quotidiano 🌟

Celebrarmos a nossa ligação a uma dimensão maior, a uma dimensão Luz Superior, tanto pode passar por acendermos uma vela todos os dias, dizermos uma oração ou cantarmos uns mantras, frequentarmos um serviço religioso e/ou abençoarmos e agradecemos tudo o que comemos, todos os pequenos gestos que trazem um sentido mais vasto e um brilho maior aos nossos dias 🌟

Comemorarmos Ritos de Passagem, de Criança para Adolescente, de Adolescente para Adulto ajuda a integrarmos a Sabedoria e a Responsabilidade impregnada em cada Etapa, e a aceitarmos com maior tranquilidade o maravilhoso Mundo Novo da nova fase que se apresenta. Este tem sido dos Rituais mais em falta, e tem gerado uma intranquilidade geracional, já que a indefinição da etapa de Vida em que estamos gera a falta de foco, e de certa forma nutre a incapacidade de amadurecermos e evoluirmos 🌟

As Celebrações, as Festas, os Rituais são atos luminosos de impregnação da nossa divindade no quotidiano, são formas de trazermos o lado Sagrado, Belo e Sublime da Vida à banalidade profana do dia a dia 🌟

Quando passamos pela Vida sem a Celebrar impedimo-nos de integrar a preciosidade de cada etapa, o que pode gerar um vazio de Auto-Realização e a tendência para procurarmos preencher-nos com mais trabalho e novas etapas, com a intenção inconsciente de que “vou ser feliz quando alcançar mais aquele marco” 🌟

O Natal passa rápido, contudo, tudo o que construímos para o Celebrar torna-o um marco de Alegria, de Amor, de Partilha de todo o Ano. E na verdade, todos os dias podem e devem ser celebrados como o Natal 🌟

Ao Celebrarmos, ao ritualizarmos a Vida, preenchemos de subtil divindade todos os nossos atos comuns, nutrimos de Presença o nosso quotidiano e trazemos significado às nossas mais singulares vivências, o que resulta num maior sentido de Propósito e na sensação de maior Auto-Preenchimento e Bem-Aventurança 🌟

A Celebração é a Meditação da Alegria 🌟

Michele Pó 🌺

Abraços que costuram o Coração 🌟 Heart’s sewing Embraces

Abraços que colam as partes sozinhas de nós 🌟

Braços que seguram, suportam e nos devolvem ao nosso Centro 🌟

Doçura que sutura mágoas, remenda feridas, cose golpes de tristeza e perda, e remenda Corações 🌟

Carinho que nos aperta, nos envolve, que resgata e revela sorrisos espontâneos e simples de paz interior reencontrada 🌟

Aconchego de peito que derrete defesas pueris e expõe com mimo a nossa assumida vulnerabilidade 🌟

Michele Pó 🌺

Embraces that glue our lonely parts 🌟
Arms that hold, support and bring us back to our Center 🌟

Sweetness that sutures sorrows, mends wounds, sews blows of sadness and loss, and mends Hearts 🌟

Affection that squeezes us, involves us, that rescues and reveals spontaneous and simple smiles of regained inner peace 🌟

Chest snuggle that melts childish defenses and exposes our assumed vulnerability 🌟

Michele Pó 🌺

Solstício de Verão 🌟 Summer’s Solstice

“A alegria é para o corpo humano o mesmo que o SOL é para as plantas”, Jean Massilon

No Tempo da Terra este é o momento em que o Sol atinge o auge de predominância sobre a noite e a Sombra convida-nos a deixarmos que a nossa Alma acenda o Fogo Divino, e incendeie e remova do nosso Corpo qualquer estagnação, inércia ou vestígio de apego 🌟

É um Tempo para a Mestria do Fogo, para a Celebração da Luz, para o enaltecimento do Amor e da sua combusta capacidade de Cura e de Libertação, do faíscar da Paixão pela Vida, o brilho entusiasmante da Alegria, o ardor galopante da Fé, a Leveza do Coração florido e expandido 🌟

Celebra-se a Natureza a atingir a sua máxima pujança, com os frutos a carregarem e absorverem Sol e a ganharem a saborosa doçura que nos lembra que a Vida é boa, e que somos os filhos amados do Universo 🌟

Feliz Solstício de Verão 🌟🌞

Michele Pó 🌺

“Joy is to the human body what the sun is to plants”, Jean Massilon

In Earth Time, this is the moment when the Sun reaches the height of its predominance over the night and the Shadow and invites us to let our Soul ignite the Divine Fire, and kindle and remove from our Body any stagnation, inertia or attachment residue 🌟

It’s a Time for Fire Mastering, for the Celebration of Light, for praise Love and its burning capacity for Healing and Liberation, the spark of Life’s Passion, the exciting glow of Joy, the galloping ardor of Faith, the Lightness of the Flowered and Expanded Heart 🌟

Nature is celebrated reaching its maximum strength, with the fruits carrying and absorbing the Sun and gaining the tasty sweetness that reminds us that Life is good, and that we are the beloved children of the Universe 🌟

Happy Summer Solstice 🌟🌞

Michele Pó 🌺

Ganhamos sempre 🌟 We always Win

A Vida convida-nos a sentirmos todos os dias que ganhamos sempre 🌟

Ganhamos com o exercício consciente da Auto-Paciência perante a frustração de um objetivo 🌟

Ganhamos uma sublime Coragem quando enfrentamos soberanamente os nossos medos 🌟

Ganhamos consciência da Sintonia e do Alinhamento Divinos quando “erramos” o momento e assim afinamos a nossa Intuição 🌟

Ganhamos a gentil oportunidade da Auto-Mestria quando perante a perda de controlo e a irritação nos acalmamos 🌟

Ganhamos um Sol ardente no peito quando escolhemos sabiamente a Esperança e a Fé por entre lágrimas de desespero e melancolia 🌟

Ganhamos uma generosa Paz Interior quando identificamos, trabalhamos e respiramos a nossa ansiedade 🌟

Ganhamos uma graciosa Humildade quando nos permitimos sermos ajudadas(os) e recebermos colinho 🌟

Ganhamos a noção da verdadeira Força e capacidade de Cura do nosso Corpo quando adoecemos 🌟

Ganhamos uma esplendorosa Perseverança e Resiliência quando mantemos o Foco e a Vontade de sermos melhores todos os dias 🌟

Ganhamos Frescura e Leveza quando reconhecemos as nossas birras e fazemos por rir das nossas expectativas 🌟

Ganhamos uma fulgurante Auto-Confiança quando deixamos de dar poder ao exterior e assumimos a Responsabilidade de Sermos Quem Somos 🌟

Ganhamos uma extraordinária Clareza quando vagueamos, deambulamos e fechamos todos os Caminhos que nos desviam do nosso Propósito de Vida 🌟

Ganhamos de volta o Coração quando nos vulnerabilizamos, choramos e permitimo-nos Sentir 🌟

Ganhamos belos Milagres quando reconhecemos as Bençãos ocultas em todos os desafios, e entrevemos a Beleza e o sentido de humor do Universo 🌟

Ganhamos porque obtemos o que queremos, simplesmente porque estava alinhado e fazia parte do nosso Plano Divino 🌟

Ganhamos Amor e Compaixão quando vislumbramos com Gratidão todos os pequenos nadas que tornam a nossa Vida um grandioso Tudo 🌟

Ganhamos porque unimos as partes e tornamo-nos Um 🌟

Michele Pó 🌺

Life invites us to feel every day that we always win 🌟

We gain with the conscious exercise of Self-Patience in the face of the frustration of a goal 🌟

We gain sublime Courage when we sovereignly face our fears 🌟

We gain awareness of Divine Attunement and Alignment when we miss the right moment and thus fine-tune our Intuition 🌟

We win the gentle opportunity of Self-Mastery when, in the face of loss of control and irritation, we choose to calm down 🌟

We gain a burning Sun in our chest when we wisely choose Hope and Faith through tears of despair and melancholy 🌟

We gain a generous Inner Peace when we identify, work and breathe our anxiety 🌟

We gain a graceful Humility when we allow ourselves to be helped and receive a sweet lap 🌟

We gain the notion of our true Strength and Healing capacity of our Body when we get sick 🌟

We gain a splendid Perseverance and Resilience when we maintain our Focus and our Will to be better every day 🌟

We gain Freshness and Lightness when we recognize our tantrums and make fun of our expectations 🌟

We gain a blazing Self-Confidence when we stop giving power to outside and assume the Responsibility for Being Who We Are 🌟

We gain extraordinary Clarity when we wander, drift and close all the Paths that deviate us from our Life Purpose 🌟

We win back the Heart when we make ourselves vulnerable, cry and allow ourselves to Feel 🌟

We gain beautiful Miracles when we recognize the Blessings hidden in all challenges, and we capture the Beauty and sense of humor of the Universe 

We win because we get what we want, simply because it was aligned and part of our Divine Plan 🌟

We gain Love and Compassion when we glimpse with Gratitude all the little nothings that make our Life a great Everything 🌟

We win because we unite the parts and become One 🌟

Michele Pó 🌺

Cuidar da Casa 🌟

A nossa cama, a nossa secretária e a nossa casa de banho refletem aspectos relevantes da nossa Vida. Quando o nosso quarto, a nossa sala, jardim ou escritório estão sujos, desarrumados e desajustados eles mostram e criam pontos de desequilíbrio, de perda de energia e de força interna. O nosso espaço externo espelha a nossa vibração interna 🌟

1 | Devemos evitar entrar em casa calçados, já os sapatos carregam impurezas, lixo e detritos externos, tanto físicos como energéticos, para o interior do nosso lar sagrado 🌟

2 | É de evitar guardarmos lixo, em todas as partes da casa, sejam alimentos antigos no frigorífico, restos de comida em sacos, sacos debaixo da cama, ou recantos onde se aglomera desordem, já que essa acumulação atrai larvas astrais que sugam a nossa energia pessoal 🌟

3 | Evitarmos armazenar objetos velhos e partidos, já que eles tendem a criar um padrão repetitivo na nossa Vida, que impede a nossa mudança e geram um desafio maior ao nosso progresso e evolução 🌟

4 | É de evitarmos acumularmos símbolos de insucesso como papéis de dívidas antigas, fotos de amores do passado, lembranças de tristezas antigas sob pena de estarmos a chamá-las de volta e repetindo os mesmos padrões 🌟

5 | Devemos evitar deixar a cama e a secretária num caos, já que a sua desordem incide na vida emocional (cama) e profissional (secretária) 🌟

6 | Manter o nosso altar limpo, arejado, vivo e ativo com flores frescas e água pura para darmos ênfase e enraizamento ao nosso ponto de resguardo energético e de ligação com o Divino. Podemos acender uma vela todos os dias e apelar aos Guardiões da nossa casa para a manterem segura e protegida. O altar deve ficar situado no centro da casa 🌟

Inspirado num artigo da Nova Terra Nascendo 🙏😊💛⭐🌟

Michele Pó 🌺

Pedras no Caminho 🌟

“Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,

Mas não esqueço de que minha vida
É a maior empresa do mundo…
E que posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver
Apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
Se tornar um autor da própria história…
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
Um oásis no recôndito da sua alma…
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um “Não”!!!
É ter segurança para receber uma crítica,
Mesmo que injusta…

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo…”

Fernando Pessoa 🙏🌟