Verão e Ayurveda: a estação Pitta

estações-do-ano-para-AyurvedaLuz. Fogo. Calor. Intensidade. É Verão! E, contudo, todos reagimos de forma diferente ao regresso desta estação do ano, que chega com as suas características distintas. Dependendo da constituição de nascimento, o Verão pode aumentar o sentido interno de harmonia, ou pode agravar uma das tendências inatas da pessoa. Um indivíduo de temperamento quente que prefere um clima frio, pode adorar o inverno, contudo, vai sentir-se mais quente do que a maioria – ao ponto do desconforto – à medida que o calor do Verão se intensifica. Por outro lado, alguém com mãos e pés cronicamente frios, que parece nunca ser capaz de se manter aquecido nos meses de inverno, experimentará exatamente o contrário: Invernos longos e frios serão um desafio e a pessoa apreciará o calor do Verão. Contudo podemos prevenir as alterações intrínsecas às estações fomentando a capacidade natural de adaptação do corpo, com as ferramentas simples que a Ayurveda proporciona.

Um dos princípios fundamentais do Ayurveda sugere que os nossos hábitos, rotinas e escolhas alimentares devem fluir com as estações do ano. Podemos estruturar o nosso estado de equilíbrio fazendo um esforço consciente para viver em harmonia com os ciclos da natureza ajustando regularmente o nosso estilo de vida e hábitos para acompanhar a chegada de cada nova estação. Embora esse conceito pareça trabalhoso à primeira vista, os ajustes sazonais recomendados acontecem naturalmente, e algumas mudanças simples podem aumentar drasticamente a saúde e a vitalidade.

As características mais marcantes do Verão – o calor, os longos dias de sol forte, a intensidade aguçada e a natureza transformadora da estação – estão diretamente de acordo com o Pitta, e é por isso que o Verão é considerado uma estação Pitta. E, apesar de alguns climas serem excecionalmente húmidos nesta época do ano, o efeito cumulativo do calor intenso é de secagem. A um nível mais subtil, o Verão é um período de expansão e mobilidade – traços mais característicos de Vata.

O foco principal durante os meses de Verão será manter o Pitta equilibrado através da moderação da intensidade e promoção da suavidade e relaxamento. Contudo o Verão tem também algumas características Vata , sendo importante manter-se hidratado, promover a estabilidade, e equilibrar a expansividade natural e a mobilidade do Vata com atividades tranquilas e relaxantes.

Alimentação no Verão

verao-para-todos-os-doshas-com-alimentacao-ayurvedicaDurante o Verão, nossos corpos desejam naturalmente alimentos leves e pequenas refeições que sejam fáceis de digerir porque o fogo digestivo – a fonte de calor interno – dispersa para nos ajudar a manter a calma e a frescura interna. Saborear as refeições em atenção plena ajudará a prevenir a tentação natural do Pitta de comer em excesso. O Verão é uma época para favorecer os sabores adocicados, amargos e adstringentes, e para saborear alimentos frescos, líquidos e leves. Esta é a melhor época do ano para saborear frutas frescas e saladas. Também é um ótimo momento para se dedicar a produtos lácteos doces, como leite, manteiga, ghee, queijo cottage, iogurte caseiro fresco e até gelados de vez em quando. Todos os adoçantes exceto o mel e o melaço, são refrescantes e podem ser apreciados com moderação durante os meses de Verão.

A água fria ou à temperatura ambiente é das melhores bebidas de Verão, contudo podemos infundi-la com hortelã e um pouco de açúcar natural, ou optarmos por um lassi doce, chás de ervas frios, como hortelã-pimenta, alcaçuz, erva-doce ou rosa, ou uma cerveja ocasional. Bebidas geladas devem ser evitadas já que perturbam o fogo digestivo e criam toxinas no corpo.

Evitar frutas ácidas ou verdes, queijos envelhecidos e vegetais e temperos quentes, como cenoura, beterraba, rabanete, cebola, alho, gengibre e sementes de mostarda. Tente evitar alimentos extremamente picantes, como pimenta ou pimenta caiena por completo. Também tenha em mente que vegetais crus (como em saladas) serão melhor digeridos se forem comidos ao almoço.

Alguns alimentos ideais para o Verão:

Frutas: Maçãs, Abacates, Bagas, Cerejas, Coco, Mirtilos, Uvas, Limas, Mangas, Melões, Peras, Abacaxi, Ameixas, Romãs, Ameixas secas

Vegetais: Alcachofras, Espargos, Beterraba Verde, Brócolos, Couve de Bruxelas, Repolho, Couve-flor, Aipo, Acelga, Pepinos, Vagem, Couve, Alface, Quiabo, Batatas, Agrião, Corgete

Cereais: Cevada, Arroz (basmati), Trigo

Leguminosas: Feijão Azuki, Feijão preto, Feijão, Brotos de feijão, Feijão De Soja & Produtos, Ervilhas

Óleos: Óleo de coco, Azeite, Óleo de girassol

Temperos: Manjericão, Cardamomo, Coentros, Aneto, Funcho, Lima, Hortelã, Salsa

Carne (para quem ingere): Peixe (água doce), Aves de capoeira (branco), Camarão

Adoçantes: Açúcar de Cana Não Refinado

alimentacao-verao-ayurveda

Escolhas do estilo de vida para o Verão

O Verão está repleto de energia vibrante o que torna mais fácil despertarmos mais cedo. De manhã temos também a melhor hora para o exercício. Antes de tomar banho, massaje a pele com uma leve camada de um óleo calmante Pitta, como coco ou óleo de girassol, para serenar o sistema nervoso e esfriar o corpo. Óleos essenciais de jasmim e lavanda são boas fragrâncias para o Verão ou pode desfrutar uma borrifada de água de rosas para acalmar, refrescar e tranquilizar a mente.

Vestir roupas leves e respiráveis, feitas de algodão ou seda e favorecendo cores refrescantes como brancos, cinzas, azuis, roxos e verdes, que ajudam a serenar a intensidade e o calor. O Verão é ideal para desfrutar do tempo na natureza, contudo sempre sob a proteção de um chapéu de abas largas e óculos de sol. Em dias especialmente quentes, muitas vezes a tensão desce um pouco sendo permitido um descanso breve de 15/20 minutos.

À noite, antes de dormir, lave os pés e massaje com um pouco de óleo de brahmi para acalmar a energia e baixar o calor. A melhor hora de deitar é pelas 22h para evitar um excessivo estímulo mental, deitando-se do lado direito que ativará a via lunar na narina esquerda, que é calmante e refrescante. Esteja ciente também de que a atividade sexual, em excesso, pode intensificar o Pitta e esgotar a energia; por isso, cultive a moderação nesse aspecto da sua vida durante os meses de Verão.

Exercício para o Verão

O Verão é geralmente uma ótima estação para estarmos ativos, desde que o exercício seja praticado nos momentos e na intensidade apropriados. O exercício aquece o corpo e, nesta época do ano, é melhor evitar o exercício durante o calor do dia, especialmente das 10h às 20h. Em vez disso, procurar exercitar no início da manhã, quando a atmosfera é fresca e fria. Também é importante evitar esforços excessivos. Idealmente, exercite-se a cerca de 50% da capacidade do corpo, respirando pelo nariz o tempo todo, se puder.

Yoga para o Verão

O Pitta é impetuoso e intenso; pode-se equilibrar a estação Pitta ajuste a prática através de um esforço relaxado: mova-se suavemente, fluída e graciosamente, mantendo o olhar suave e a respiração estável. Cultive uma consciência interior calma em vez de se esforçar ao máximo com precisão e esforço muscular aguçado. Verifique com frequência se está numa prática relaxada. Crie e mantenha o enraizamento e o fluxo estático nas poses.

Ayurveda-and-summerComo o plexo solar tende a manter o calor, favorecem as asanas que massajeiam, fortalecem e espremem a região abdominal, como gato / vaca, cobra, barco, aberturas laterais e torções. Posições que esfriam, como a postura da criança e as curvas para a frente, assim como fluxos suaves como a saudação à lua. Termine a prática com alguns minutos em shavasana para ancorar a energia e integrar os benefícios da prática de yoga.

Fitoterapia para o Verão

Existem numerosas ervas que sustentam a função saudável do Pitta que pode ser especialmente benéfica durante a temporada de Verão. Entre eles estão: Amalaki, Brahmi, Bhumyamalaki, Guduchi, Kutki, Neem e Shatavari. Para mais informações sobre o papel único e adequação de cada uma dessas ervas desempenha é importante consultar um médico ou terapeuta ayurvédico.

Advertisements

Ayurveda e as diferentes dimensões da Mente

ayurveda-vata-pittaNa visão da Medicina Ayurvédica todos os desequilíbrios (sharirika) têm para além de uma dimensão física, uma componente mental activa (manasika).

O exame da mente e das doenças psicológicas na Ayurveda é potencialmente tão complexo quanto o exame do corpo e das doenças físicas. Esta é uma observação penetrante e atenta que requer perícia, dado que requer a habilidade de compreender em profundidade o funcionamento da mente, que vai além dos aspectos físicos observados nos outros ramos da Ayurveda.

Dimensões da Mente

“Como o Sol que observa a Terra não é tocado pelas impurezas terrestres, assim também o Espírito que habita em todas as coisas não é tocado pelos sofrimentos externos”

Upanishades

Na Ayurveda, a mente é concebida a mente existindo em quatro níveis:

Chitta: ou Consciência. Ela funciona mesmo independente dos sentidos. Também é onde todas as memórias das nossas vidas passadas estão guardadas. Ela existe em todos os três corpos e funciona mesmo enquanto dormimos. Através da hipnose a nossa mente pode ser levada ao nível de Chitta. Ela representa a totalidade do nosso campo mental, contendo todas as emoções, hábitos, impressões e apegos profundamente enraizados em nós.

Manas: É aquela parte de nossa mente que está conectada com os sentidos, coordenando as

nossas actividades motoras e sensitivas, e está dominada pelas nossas emoções e opiniões. Ela

inclui a consciência sensorial externa ou “mente desejante”, assim como o nosso subconsciente e inconsciente pessoal. Ela expressa-se nas nossas capacidades de pensar, considerar, imaginar (samkalpavikalpa), nas nossas emoções e reacções primárias às impressões sensoriais. Este nível de Manas não existe no corpo causal, porque ela necessita de ser alimentada pelas impressões sensoriais.

AHANKAR: Literalmente significa “O fabricador do eu” e trata-se de um processo e não de uma realidade intrínseca. Ele é uma força necessária de diferenciação inerente à natureza, um estágio de evolução, mas não representa a verdade profunda ou real identidade das criaturas. Ele é a noção de “eu” por detrás dos outros pensamentos da mente. A sua acção é uma série de identificações do self ou aspecto subjectivo do nosso ser com alguma forma ou qualidade objectiva, tal como o corpo ou os vários estados mentais. Manas ou “mente externa” é uma série de reacções emocionais internalizadas. O ego (Ahamkar) apropria-se disso dizendo “eu gosto disso” ou “eu não gosto daquilo” etc. Desta forma o ego fornece energia para as reacções da mente. O seu aspecto positivo é que o ego possibilita uma mente com capacidade de foco. Ele ajuda a consciência a diferenciar-se da natureza externa. Contudo o ego é de facto uma das principais causas dos desequilíbrios e das doenças físicas e psicológicas.

Buddhi: Esta é a nossa faculdade de discernimento, a qual nos permite distinguir entre o

verdadeiro e o falso. Ela capacita-nos de estabelecer valores e princípios nas nossas vidas, os

quais são as bases da nossa consciência. Ela é nossa mente consciente e inteligência. Quando

dirigida externamente torna-se o intelecto e faz-nos discriminar os nomes e as formas do mundo externo. Quando dirigida para dentro ela torna-se a inteligência que nos faz discriminar entre o que está dentro de nós e fora de nós, e entre o que é aparente e o que é real. Quando dirigida externamente a sua função dá-se através de Manas (mente externa) e Ahamkara (ego) e não é independente deles. Porém, na sua essência é independente dos sentidos e existe em todos os três corpos (físico, subtil e causal).

Os três Gunas e a Mente

gunasConforme a criação se desenvolve, são formados três princípios básicos que sustentam toda a vida: as leis de criação, manutenção e dissolução. Tudo na vida nasce ou é criado, vive, e então morre. Esses princípios são conhecidos como Sattva, Rajas e Tamas e são chamadas de os três Gunas ou qualidades, atributos, tendências ou modos da criação e da natureza material. Toda a vida, humana ou celeste obedece a essas leis.

Os Gunas determinam a ressonância da nossa consciência, e a ressonância da nossa consciência determina nossa “realidade, ” este é o conhecimento mais importante da ciência dos Gunas. Os Gunas mostram as predisposições básicas da mente e as coisas que ela valoriza. No geral, a constituição mental segue a física. Porém, em alguns casos, a actividade mental pode ser mais forte do que o corpo.

• No nível físico, Sattva é harmonia; Rajas é actividade; Tamas é inércia.

• No nível mental, Sattva é verdade; Rajas é paixão; Tamas é indiferença.

As qualidades mentais dos Gunas são as seguintes:

Mente Sattvica

Sattva é capaz de produzir Luz. É na Luz de Sattva que vemos os nossos sonhos; Sattva é a luz onírica. Os olhos e todos os outros órgãos dos sentidos estão fechados, porém a escuridão não governa os sonhos. Por esse motivo, Sattva está ligado à melatonina, a hormona produzida pela glândula pineal. Sendo capaz de gerar Luz, Sattva remove a confusão ao proporcionar uma perspectiva clara. Quando Sattva predomina todos os sentimentos de inspiração para realizar-se alguma acção, bem como o apego desaparecem. Desaparece toda a inspiração para o trabalho, e toda a ignorância. Não há nada para fazer, nenhum lugar para onde ir, nenhum trabalho no qual mergulhar, nenhuma vontade de comer nem dormir, nenhuma confusão. Tudo o que permanece é luz e bem-venturança – as quais, por sua vez, criam mais luz, mais paz e maior tranquilidade.

Esta é uma mente harmoniosa. Sattva representa um estado de flexibilidade mental. A pessoa sáttvica é flexível e reage aos acontecimentos na hora em que eles acontecem; as suas reacções emocionais são proporcionais às situações. É uma pessoa aberta às coisas novas e não tem apego às suas opiniões; é pacífica e não gosta de entrar em conflitos; sente-se igualmente à vontade sozinha ou junto a outras pessoas; gosta da natureza e tem a mente em paz. Por isso, dorme bem e não se deixa abalar pelo passado nem pelo futuro. Tem bastante motivação, mas não em excesso. Tem confiança nas outras pessoas, mas sua intuição é aguçada e inteligência brilhante. A mente sáttvica é pura, clara e luminosa, e pode ser desenvolvida pela prática espiritual. É necessário um estilo de vida que promova o Guna sattva, associado a uma dieta alimentar que elimine as substâncias rajásicas e tamásicas.

Os alimentos Sáttvicos são aqueles que contribuem para a serenidade, promovem a vida, a força, a saúde, a felicidade e a satisfação. Proporcionam o essencial e mantêm o organismo doce e limpo. São os alimentos puros.

Mente Rajásica

Rajas tem o poder de dar energia. Este Guna motiva e inspira o trabalho. Contém na sua

natureza a dor, pois a dor só surge a partir da actividade. Quando Rajas é dominante

surge um grande ímpeto de energia e um imenso desejo de realizar trabalho, projectos e

actividades. A acção é o modo dominante.

Rajas representa por isso um estado activo da mente. A pessoa rajásica tende a ter o pensamento rígido e aferrar-se tenazmente às suas opiniões. Tende a reagir às situações com emoções que não se encaixam no contexto. Mentalmente é brilhante e agressiva. É activa e enérgica, mas muitas vezes não sabe quando vai parar ou ir mais devagar. Precisa de uma forte motivação para viver. No geral, vive ocupada com alguma coisa; considera o descanso como uma perda de tempo ou associa-o à depressão. A pessoa rajásica é capaz de fazer qualquer coisa para se curar, desde que tenha certeza que isso vai beneficiá-la e não vai reduzir-se a uma simples perda de tempo ou energia. Tem a capacidade de motivar os outros. O seu sono é perturbado, pois não põe freio aos pensamentos. Os alimentos Rajásicos contribuem para o

dinamismo e acção, mas podem causar dor, pesar e doença.

Mente Tamásica

Tamas é inerte. Este Guna é a fonte da resistência, dos obstáculos e das obstruções. Quando existe uma predominância de Tamas, o indivíduo sente preguiça e apego. Não se incomoda de ir a algum lado, e prefere permanecer onde está. Tamas representa um estado de inércia e estagnação mental. A pessoa tamásica é obtusa, revela pouca clareza mental. Não tem motivação e não é capaz de fazer nada se não for pressionada ou forçada (às vezes força-se a si mesma). Dorme demais, come demais e tende a exceder-se em tudo. Costuma sofrer de depressão emocional e é letárgica. O tratamento de qualquer pessoa tamásica é desafiante, a menos que tenha rajas em quantidade suficiente para provocar uma mudança. Os alimentos Tamásicos produzem a preguiça e a indolência. Todos os produtos farmacêuticos são tamásicos, assim como a carne e o álcool.

Nos níveis físicos, podemos correlacionar Tamas com o Corpúsculo ou a Partícula, e Rajas com a Onda (na dicotomia Partícula/Corpúsculo vs. Onda, da Física moderna) ou, então, Tamas com a Matéria e Rajas com a Energia; e, em qualquer dos casos, Sattva com a(s) lei(s) que tudo rege(m).

A influência dos Gunas e das suas subtis nuances podem ser comparadas à mistura das três cores básicas, amarelo, magenta e azul. Podem ser infinitamente misturadas, e a cada adição a cor muda. Realmente, cada espécie ou mesmo cada corpo individual pode ser comparado a um destas misturas específicas dos três Gunas. Os Gunas dão cor à nossa consciência, e a nossa consciência “colora” o nosso corpo. Isto é literalmente verdadeiro no caso do nosso corpo astral, que muda de cores de acordo com nossos estados de consciência. A energia subtil que flui no nosso corpo astral influencia a energia que flui no nosso corpo grosseiro.

A matriz dos desequilíbrios da Mente

Os desequilíbrios da mente (Manas vikruti) na psicologia ayurvédica são atribuídos a vários fatores. Estes incluem seguir uma dieta que cria mais desequilíbrio, combinação de alimentos incompatíveis, toxinas de emoções reprimidas, emoções não resolvidas, stress, trauma e maus hábitos de vida.

O desequilíbrio da mente pode ser equilibrado através da ingestão de uma dieta adequada ao Dosha da constituição de nascimento, meditação, seguindo uma rotina diária para equilibrar o Prakriti (Matriz) e fitoterapia. A Ayurveda oferece também remédios à base de plantas que podem ser usados para acalmar a mente.

Quando o paciente está a fazer uma medicação alopática deve consultar um médico ou terapeuta ayurvédico antes de começar a tomar suplementos de ervas. Algumas ervas tradicionalmente usadas para a mente são o Brahmi (na forma de pó, óleo ou tintura), Bhringraj (em pó ou como um óleo), Bacopa (em pó ou tintura) e Shankhapushpi.

Manas prakruti é a nossa constituição mental inata na psicologia ayurvédica. Essa constituição pode ser determinado pelo sexto nível do pulso. É descrito como um lótus de oito pétalas. Cada uma das oito pétalas está ligada a uma divindade védica e aos atributos dessa divindade. Esses atributos revelarão qualidades como compaixão, introspectiva, crítica, etc. A avaliação do pulso identificará quais dessas pétalas são ativadas. Um adepto ayurvédico praticante será capaz de identificar o manas prakruti através desta avaliação de pulso refinada.

A Mente e os três Humores

Psicologia Vata

Pessoas com desequilíbrio Vata na psicologia ayurvédica exibem sintomas de medo, solidão, ansiedade extrema, nervosismo, uma mente inquieta e insónia contínua. O paciente fala muito depressa, muda rapidamente de assunto durante uma conversa, tem tendência à síndrome das pernas inquietas e anseia por estimulação externa contínua. O paciente terá pele muito seca, unhas quebradiças e uma língua instável.

Psicologia Pitta

Pessoas com desequilíbrios Pitta na psicologia ayurvédica são propensos à raiva, crítica, julgamento, birras e análise sem fim. A pessoa Pitta fala de forma incisiva, impaciente e concisamente e espera o mesmo em troca. O paciente muitas vezes fica calvo ou prematuramente grisalho, tem tendência a verrugas, sardas e condições inflamatórias.

Psicologia Kapha

Os pacientes que apresentam desequilíbrios kapha na psicologia ayurvédica tendem a umtipo pesado de depressão, ganância, apego e letargia. Gostam de rotinas e são muito carinhosos e gentis. Os pacientes com Kapha andam e falam devagar e tendem a ganhar peso. Podem ponderar uma questão por algum tempo antes de responderem ou formarem uma opinião. Depois de tomarem uma decisão dificilmente mudam de opinião.

O conforto caseiro da Massagem Indiana à Cabeça

indian-head-massage2A massagem indiana à cabeça (ou “Champi” em hindi) é uma prática que teve origem há mais de quatro mil anos na Índia, oriunda de uma tradição e práticas de preparação e embelezamento da mulher para um noivado auspicioso. As Mães indianas tinham por hábito massajar o cabelo das suas filhas com diferentes óleos terapêuticos e aromáticos para estimular o seu crescimento e gerar longas e brilhantes madeixas. Com o tempo tornou-se popular em todas as faixas etárias tornado-se parte integrante das partilhas familiares quotidianas, e da rotina diária de prevenção relacionada com a saúde, longevidade e bem-estar. A Indian Head Massage, como também é conhecida, é praticada em bebés e crianças, para estimular a sua inteligência; nos jovens, para acalmar as alterações próprias da adolescência; nos adultos, para fomentar a sua boa disposição e foco; nos idosos para incrementar a sua longevidade e saúde.

Narendra Metha, um homem cego que cresceu numa comunidade indígena onde a Champi era uma parte importante da vida familiar e comunitária, foi a primeira pessoa a desenvolver e formalizar a massagem indiana numa terapia estruturada. A Champissage é hoje, uma das formas mais populares de massagem à cabeça – uma sequência registrada de movimentos de massagem.

Metha chegou à Inglaterra na década de 70, onde se formou como fisioterapeuta. Em 1978 ele retornou à Índia, onde estudou os benefícios e a prática da Champi. Metha incluiu também o pescoço, os ombros e o rosto na massagem, e empregou o conhecimento ancestral dos pontos Marma (Marmaterapia), com os conhecimentos de shiatsu e acupressão para relaxar áreas tensas, reequilibrar a energia e limpar quaisquer áreas de tensão concentrada.

Os benefícios da Champi

A Massagem indiana à Cabeça é um dos tratamentos principais recomendados pela Ayurveda na rotina diária para a prevenção dos distúrbios de Vata (Ar e Éter). A massagem age profundamente no corpo todo, aumentando o fluxo de Prana pelos canais ou Nadis. Eis alguns dos benefícios:

– Ela traz claridade à mente;

– Alivia e trata a insónia;

– Incrementa a memória;

– Alivia o stress e a ansiedade;

– Diminui a pressão alta e a fadiga crónica;

– Retrai a perda de cabelo, retarda a calvície, e diminui a incidência prematura de cabelos grisalhos porque aumenta a oxigenação e nutrição no couro cabeludo;

– Dinamiza a circulação sanguínea e a drenagem linfática na zona do pescoço, libertando o corpo de substâncias tóxicas;

– Aumenta o oxigénio e a glicose no cérebro, melhora a circulação do elemento vital (o fluído cerebroespinal);

– Aumenta a secreção de hormonas de crescimento e enzimas necessárias ao crescimento e desenvolvimento das células do cérebro;

– Aumenta o nível de energia prânica no cérebro, promove altos níveis de atenção e concentração, previne estados depressivos;

– Alivia a fibromialgia e a congestão das vias aéreas;

– Ajuda a recuperar dos efeitos nocivos da radiação acumulada pelo uso de telemóveis;

– Melhora a visão nos adultos, para além de fomentar o desenvolvimento da visão e do cérebro dos bebés de seis a nove meses de idade.

A Massagem indiana à cabeça trabalha em áreas afetadas pelo stresse mental e emocional e tem a capacidade de produzir um alívio bastante rápido. Pessoas que sofrem de dores de cabeça, enxaquecas, insónia, tinitis, vertigem e depressão podem beneficiar bastante com esta massagem.

O ar condicionado, a iluminação artificial do ambiente de escritório causam muitas vezes dores de cabeça, assim como ficar sentado à frente do computador o dia todo ou ao volante, pode resultar na formação de nódulos de tensão no pescoço e nos ombros.

Com a vantagem de poder ser realizada na postura sentada e a seco, a massagem indiana à cabeça tem vindo a tornar-se popular em grandes empresas, que as oferecem aos seus funcionários, como forma de aumentar a produtividade, reduzir o absentismo e fomentar a qualidade de vida dos seus trabalhadores.

O que esperar numa sessão de massagem à cabeça

serenity-indian-head-massageNormalmente realizada enquanto o paciente está sentado, esta massagem leva cerca de 20 a 30 minutos e está focada na parte superior das costas, ombros (eventualmente braços e mão), pescoço, cabeça e rosto para ajudar a aliviar uma variedade de condições relacionadas com o stresse, para além de libertar a tensão muscular.

O terapeuta colocará o foco em restaurar o equilíbrio e a harmonia trabalhando os três chakras superiores. Em sânscrito, essas áreas são chamadas Vishuddha (a base da garganta – a Tiróide), Ajna (a 3ª Visão – a Pituitátia) e Sahasrara (a coroa – a Pineal). O chakra (“roda” ou “disco”) é um centro de energia vital na forma de uma flor de lótus. A cabeça da “flor” é encontrada na parte frontal do corpo, estando o seu caule enraizado na coluna vertebral. Existem sete chakras principais situados em torno da coluna vertebral, começando pelo chakra da raiz na base da coluna, e terminando com o chakra da coroa – logo acima da cabeça. Quando o terapeuta equilibra os três chakras superiores, o resto dos chakras equilibram-se pela ressonância e vibração produzidas pela massagem.

Uma massagem de cabeça indiana profissional provoca uma sensação semelhante a uma massagem de reflexologia, que é realizada nos pés, mas que é sentida em todo o corpo. Isso ocorre porque existem vários pontos de Marma importantes na cabeça, que se refletem pelo corpo todo, e que quando sabiamente estimulados e reequilibrados produzem uma saúde e bem-estar perfeitos.

A massagem indiana na cabeça pode ser seca ou com a utilização de óleos medicados, sendo esta a mais habitual. Para além de nutrirem os cabelos, os óleos também acalmam o sistema nervoso, já que as raízes do cabelo estão ligadas às fibras nervosas.

Os óleos na Massagem indiana à cabeça

Indian-Head-Massage-smallUm dos óleos mais utilizados na Massagem Indiana à cabeça é o Óleo de Brahmi (Bacopa Monieri). Conhecido pelas suas propriedades regeneradoras dos neurónios e a estimulação da circulação sanguínea no cérebro, este óleo tem uma longa tradição de utilização como óleo capilar, diminuindo a inflamação provocada pelo excesso de Pitta, fomentado a inteligência em crianças pequenas, e a memória nos idosos, para além dos seus benefícios no tratamento de desequilíbrios do couro cabeludo.

Para a cobertura dos cabelos grisalhos e o tratamento da calvície, são habitualmente usados óleos com plantas antioxidantes que rejuvenescem o couro cabeludo, com o Óleo de Amla, o Óleo de Neem e o Óleo de Bringaraj.

Uma das fórmulas ayurvédicas mais conhecidas para o cuidado capilar, nutrição e fomento da memória é o Himtaj. Esta fórmula contém algumas das plantas já mencionadas além de outras menos comuns em Portugal.

Efeitos colaterais da Champi

massage head 1Todos os tratamentos têm as suas consequências no corpo, sendo alguns deles mais perturbadores do que outros. A Champi tem como base a observação da pessoa na sua dimensão holística, e como tal são tidas em conta as características específicas da massagem que deve ser aplicada em função do perfil, da idade, da condição física da pessoa, das suas necessidades individuais. Alguns dos efeitos da Massagem indiana à cabeça são os seguintes:

Efeito diurético: A Champi tende a eliminar todas as toxinas e resíduos do corpo. Consequentemente é natural que sinta uma vontade mais urgente de urinar após a massagem. É inclusive recomendável que ingira um pouco mais de água para coadjuvar neste processo de limpeza propiciado pela Champi.

Dores musculares: Ao ajudar a liberar todos os músculos tensos, a Champi tem por vezes como consequência o surgimento de alguma dor muscular após a massagem. A dor que surge no músculo está associada ao processo de reparação do mesmo.

Melhoria da consciência do nossa envolvência: A Champi tem muitas vezes como resultado uma melhoria significativa na perceção sensorial, consequência da melhoria da memória, da clareza proporcionada pela massagem. É muito adequado descansar após a terapia de forma a libertar todo o stresse, dor, tensão e peso que estava a ser carregado.

Baixa ligeiramente nível de açúcar no sangue: No caso de padecer de diabetes convém aferir o impacto que a massagem pode ter no seu corpo, confirmando os seus níveis de açúcar após a mesma, de modo a confirmar o benefício ou desequilíbrio que a Champi possa ou não trazer.

Rigidez dos ombros e pescoço: Para quem já sente os ombros e o pescoço rígidos, pode sentir a manipulação como algo um pouco intenso, aumentando por vezes um pouco a própria rigidez após a massagem. Essa dor agravada é temporária, e é resultado dos nós e músculos que foram libertos durante a Champi, sendo a mobilidade e liberdade dos músculos recuperada e melhorada pouco tempo depois da massagem.

Tonturas: A sensação de tonturas após a massagem pode ser um sintoma importante a ter em conta. A Champi tende a estimular a circulação do sangue em certas partes do corpo, e dependendo da condição física do mesmo, pode aumentar ou diminuir a pressão arterial. É natural que após a libertação da tensão a que o corpo estava sujeito surja uma certa leveza que provoque a sensação de desequilíbrio. Esta sensação é habitualmente passageira, diminuindo com a repetição do tratamento.

A massagem indiana à cabeça constitui um ícone de partilha, de geração de laços mais profundos entre os membros de uma família, e também entre amigos, fomenta ligações, boa disposição, saúde, alegria, bem-estar, e por isso tudo previne tristezas e desequilíbrios. Em suma, contém todos os ingredientes para continuar a ser uma excelente etapa a acrescer numa rotina e estilo de vida equilibrado e saudável.

Benefícios da singular Assa fétida

Asafoetida-Ferula-Assa-Foetida-or-HingA assa fétida é uma resina dura e viscosa obtida principalmente da planta Ferula assa fétida. Oriunda da Ásia Central, desde a Pérsia (Irão) até ao Afeganistão, esta planta herbácea é um membro da família Umbelliferae. É uma planta perene familiar da erva-doce que é branca acinzentada quando fresca, mas escurece com a idade para amarela, vermelha e, eventualmente, castanha. A resina viscosa vem da seiva seca extraída do caule e raízes vivas e é macerada em álcool. As plantas perenes precisam ter pelo menos quatro anos de idade antes de estarem prontas para produzir a resina, que é difícil de ralar e é tradicionalmente esmagada entre pedras ou com um martelo. Hoje, a forma mais comummente disponível é a assa fétida combinada, um pó fino contendo 30% de resina assa fétida, juntamente com farinha de arroz e goma arábica.

A assa fétida crua tem um odor forte e desagradável, e é amarga no sabor. No entanto, quando usada como tempero acrescenta um paladar suave aos alimentos cozinhados evocando um sabor semelhante ao da cebola ou alho-francês. É um ingrediente crucial na culinária vegetariana indiana, tipicamente combinada com leguminosas como lentilhas, e pratos com vegetais como a couve-flor, e também é usada em conservas.

História da Assa fétida

Os primeiros registos indicam que foi Alexandre, o Grande, quem disseminou a assa fétida para o oeste em 4 a.C. A assa fétida foi usada como tempero na Roma antiga e, embora não seja originária da Índia, tem sido usada na medicina indiana e na culinária há séculos. Hoje, é usada principalmente no sul e no oeste da Índia, geralmente pela casta mercantil dos hindus e pelos seguidores do jainismo e do vaishnavismo, que não comem cebola ou alho.

O nome comum “asafetida” é derivado da palavra farsi aza, que significa resina, e a palavra latina foetidus, que significa um cheiro extremamente desagradável.

Pensava-se que o forte cheiro sulfuroso da assa fétida era ideal para acalmar a histeria, e nos dias do faroeste americano, foi incluída numa mistura com outras especiarias fortes para curar o alcoolismo.

Apesar do seu odor forte e pungente é, ainda assim, também comumente usada como componente de fragrância em perfumes.

Composição química

Esta especiaria é composta de aproximadamente 4% a 20% de óleo volátil, 40% a 60% de resina e 25% de goma. É quimicamente constituída por l-arabinose, asaresinotanol, bassorina, cadineno, compostos sulfurados, cumarina, ésteres, farnesferol, felandreno, foetidina, galactose, goma, isopimpinelina, alfa e beta-pineno, resina, sesquiterpernos, umbelliferona, vanilina. O pineno, cadineno e vanilina são encontrados no óleo, e umbeliferona, asaresinotanol, foetidina, kamolonol e ácido ferúlico são encontrados na resina. O óleo essencial de ferula assa fétida contém uma variedade de compostos odoríferos com uma alta percentagem de enxofre.

Assa fétida na Ayurveda

Ferula_assa-foetidaAssa-fética – Ferula asafoetida – Hing ou Heeng – Ferula assa-foetida L.

É leve e penetrante, de sabor picante e azeda. Na Ayurveda, ela é usada para equilibrar o Vata (ar-éter) e o Kapha (terra-água). No século VII, a.C., o Charaka Samhita, um manual de medicina Ayurvédica recomendava esta planta de cheiro fétido contra o inchaço do abdómen e flatulência, situações para as quais ainda hoje se emprega na Índia e no Médio Oriente.

Alguns dos benefícios relatados da assa fétida de acordo com a tradição medicinal Ayurvédica são: Antimicrobiana, Anti-inflamatória, Carminativa, Anti-espasmódica, Combate infecções, como leveduras e infecções respiratórias, Expectorante, Anti-cancerígena, alivia problemas menstruais, como cólicas dolorosas e menstruação irregular, atua como contraceptivo/ abortivo. É adequada em abortos múltiplos. Estimulante do Sistema Nervoso, Anti-epiléptico e antiespasmódica. É útil na tosse, na falta de ar, histeria, cólera, reumatismo, dores de ouvido. Anti-helmíntica (combate vermes parasitas), alivia problemas digestivos, como flatulência, obstipação, indigestão, dores abdominais, distensão abdominal, vómitos. Aumenta a secreção do suco digestivo, e a quantidade de urina. Constitui um antídoto para a overdose de ópio.

Remédios ayurvédicos com assa fétida

Dor de estômago/flatulência/eructação (arroto): Misture uma pitada de assa fétida em água quente e aplique em redor do umbigo. Um ½ g de assa fétida também pode ser consumida com qualquer alimento. Se houver dor devido ao acumulo de ar no estômago, ferva 2 g de assa fétida em 500 mL de água até restarem 125 mL. Beba isso enquanto ainda está quente para o alívio do mal-estar.

Dor nas costelas: Misture assa fétida em água quente e aplique na área da dor.

Dor de cabeça devido a resfriado: Misture assa fétida em água quente e aplique na testa.

Enxaquecas: Misture assa fétida na água e inale para aliviar.

Indigestão: Misture quantidades iguais de assa fétida, sal de rocha, sementes de carambola e noz-moscada ou Terminalia chebula. Moer a mistura num pó fino. Consumir uma colher de chá dessa mistura com água quente três vezes ao dia.

Soluços: Coloque um pedaço de assa fétida igual do tamanho a um grão de millet numa fatia de banana ou açúcar mascavo e consuma-a para aliviar os soluços.

Parasitas em crianças: Misture um pouco de assa fétida na água e aplique esta solução no ânus com uma bola de algodão.

Para combater os efeitos do uso do ópio: Misture 4 gramas de assa fétida em água e beba.

Dores de dente: Mantenha um pequeno pedaço de assa fétida na gengiva sob o dente dorido para alívio da dor.

Urticária: Misture a assa fétida na manteiga clarificada (ghee) e massajeie as áreas afetadas.

Histeria: a Assa fétida pode aliviar a histeria.

Pneumonia: Misture uma pitada de assa fétida em água e beba.

Dores Menstruais: Misture uma pitada de assa fétida no leitelho. Adicione uma colher de chá de feno-grego, sal a gosto e consumir.

Envenenamento: Misture uma pitada de assa fétida na água. Isso induz ao vómito para remover o veneno ingerido.

Constipação: A assa fétida pode ajudar a remover o muco acumulado.

Rouquidão: Misture 1/2 grama de assa fétida em água quente e gargareje.

Coração fraco: A Assa fétida dá força a um coração fraco, impede a coagulação do sangue e melhora a circulação sanguínea.

Calos: Aplique assa fétida diretamente no local afetado.

Diabetes: Misture 1/4 colher de chá de assa fétida em 2 colheres de chá de sumo de abóbora amarga (karela) e consuma. Ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue.

Benefícios para a saúde da assa fétida

assa fétida 1São habitualmente atribuídas à assa fétida propriedades medicinais como anti-coagulante, digestivo, hipotensora. É indicada para bronquite, cólica, constipação, convulsão, dor, espasmo, gases, hipertensão arterial, indigestão, tosse forte, vermes. Existem já alguns estudos realizados no ocidente que comprovam os seus benefícios:

Alívio da Asma: Como um potente estimulante respiratório e expectorante, a assa fétida ajuda a liberar a fleuma e a aliviar a congestão no peito naturalmente. É usado na medicina tradicional para asma, coqueluche e bronquite. O óleo volátil da resina é eliminado através dos pulmões, e é por isso que pode ser um excelente tratamento para a asma e outros problemas relacionados ao pulmão.

Reduz a pressão arterial: A assa fétida é um anticoagulante natural do sangue e pode ajudar a baixar a pressão arterial. Está repleta de cumarina, um composto que ajuda a melhorar o fluxo sanguíneo e a diluir o sangue, impedindo a sua coagulação. Os cientistas conseguiram isolar certos fitoquímicos em espécies de Ferula (a fonte de assa fétida) que têm efeitos cardiovasculares úteis. Pesquisas com animais demonstraram que o extrato de goma assa fétida da Ferula reduz significativamente a pressão arterial média. O extrato de goma parece conter compostos relaxantes que têm um efeito positivo sobre a pressão arterial e a saúde cardiovascular em geral, graças em parte a esses fitonutrientes.

Ajuda a tratar o Síndrome do Cólon Irritável: A SCI geralmente causa alguns dos seguintes sintomas: diarreia e constipação alternadas, gases intestinais, inchaço e cãibras, dor abdominal, evacuações dolorosas, secreção de muco e alimento não digerido nas fezes. A Assa fétida foi estudada e determinou-se ser um remédio homeopático bem-sucedido para aqueles que sofrem de SCI. Um estudo de 14 semanas, duplo-cego, tratou pessoas sofredores de SCI com assa fétida ou placebo. Os resultados mostraram que os indivíduos que tomaram o remédio homeopático de assa fétida melhoraram em maior grau do que aqueles que tomaram o placebo. Além disso, a assa fétida é especificamente recomendada para quem sofre de SCI e que experimenta prisão de ventre alternando com diarreia aquosa, o estômago inchado com muito gás e uma sensação de nó na garganta que é aliviada por engolir e arrotar. Estes sintomas também são tipicamente piores depois de comer e sentar-se, durante a noite e no lado esquerdo, mas são aliviados pela pressão e pelo movimento ao ar livre.

Controle do Açúcar no Sangue: Estudos em animais demonstraram que a assa fétida pode ser uma forma eficaz e natural de ajudar a manter os níveis de açúcar no sangue controlados e a manter o nível normal de açúcar no sangue. Quando o extrato de assa fétida foi administrado a animais diabéticos Numa dose de 50 miligramas por quilo por quatro semanas, os pesquisadores observaram um efeito de diminuição do açúcar no sangue. O estudo concluiu que esse efeito é provavelmente devido à presença de ácidos fenólicos, especificamente ácido ferúlico, e taninos no extracto de assa fétida.

Reduz a Flatulência: A Assa fétida tem sido tradicionalmente usada para expulsar o vento do estômago. Por outras palavras, é um agente antiflatulento que é usada para aliviar e prevenir o excesso de gases intestinais. É comummente combinado com lentilhas e outras leguminosas apenas por este motivo – para reduzir o gás pós-refeição e manter a flatulência sob controle.

Efeitos colaterais e interações potenciais da assa fétida

A assa fétida é considerada segura para a maioria das pessoas quando consumida nas quantidades normalmente encontradas nos alimentos. No entanto, o consumo excessivo pode causar erupções cutâneas, inchaço dos lábios, sensação de ardor no estômago, náuseas, vómitos, diarreia e desconforto ao urinar. As pessoas impetuosas devem evitar consumi-la.

Quando tomado medicinalmente, esta especiaria pode causar dor de cabeça, convulsões e distúrbios sanguíneos. Se usado por longos períodos por mulheres na pré-menopausa, pode causar irregularidades no ciclo menstrual. As mulheres grávidas devem evitar tomar assa fétida porque pode induzir um aborto espontâneo. Também é de evitar durante a amamentação, e por crianças muito pequenas.

Aqueles que sofrem de acidez grave, hemorróidas, hemorragia, epilepsia, problemas no fígado e pressão alta ou outras doenças do sangue devem evitar consumir assa fétida regularmente. Deve-se evitar quando se estiver a tomar medicamentos para a tensão arterial. É possível que a assa fétida retarde a coagulação do sangue, portanto deve-se evitar consumi-la duas semanas antes de qualquer cirurgia programada.

Apesar dos poucos estudos para apoiarem uma evidência clínica, as recomendações de dosagem para a assa-fétida são tradicionalmente de uma dose diária de 200 a 500 miligramas da resina usada para fins medicinais.

Interações

assa fétidaA Assa fétida deve ser evitada se se estiver a tomar anticoagulantes ou medicamentos para a pressão alta. Sabe-se que a assa fétida interage com os anticoagulantes/antiagregantes plaquetários e anti-hipertensivos.

Apesar dos benefícios terapêuticos da Assa fétida é, contudo, recomendável a consulta de um profissional de saúde que adeqúe a sua aplicação.

Pele – Beleza e Longevidade com a Ayurveda

O conceito de beleza no Ayurveda estende-se a todas as dimensões do Ser. A verdadeira beleza nasce da Alma e tem uma dimensão mais vasta e etérica. Aos cuidados com o corpo físico são acrescidos os cuidados com o equilíbrio emocional, mental e espiritual para uma expressão transversal e total do conceito de Beleza. Na dimensão filosófica da Ayurveda a Beleza surge então da relação equilibrada entre o ser humano e o meio ambiente, ampliando para uma consciência ecológica o impacto que todos os cuidados que temos connosco, tornando sagrados os nossos rituais de bem-estar.

Aurveda-for-skin-and-hairA pele é a face exterior do plasma ou rasa dathu em sânscrito, o primeiro dos tecidos do corpo. A saúde do plasma está relacionada com a nossa capacidade digestiva e a qualidade dos alimentos que ingerimos. À semelhança da pele, os cabelos e as unhas são também subprodutos dos nossos tecidos, e a sua beleza depende da sua boa formação, podendo-se determinar a saúde de uma pessoa através do brilho e vigor da sua pele. Neste contexto, todos os cuidados com a pele são também cuidados para a longevidade.

A pele está também relacionada com o sub-dosha de Pitta, o Brajak. Localizado sob a pele, ele regula a temperatura da superfície do corpo, controla as glândulas sudoríferas e ajuda o Vata a dar lustro à pele. Quando equilibrado, o Brajak Pitta proporciona uma pele corada, irradiando alegria e vitalidade.

A Pele e as diferentes Bioenergias

face VPKToda a matéria que vibra no Universo é composta pelos cinco elementos básicos – Éter, Ar, Fogo, Água e Terra – que por sua vez se sintetizam na constituição humana nas três bioenergias básicas (os doshas): Vata (éter, ar), Pitta (fogo e água) e Kapha (Terra e Água). Estas três Bioenergias (Doshas) são muito sensíveis a todas as alterações do meio ambiente, alterando-se em consonância com elas. O nosso corpo (nas suas várias dimensões: físico, emocional, mental, espiritual) é muito atmosférico, reagindo para se reajustar e equilibrar perante as mudanças ao longo do dia, dos meses, dos anos. De forma muito simplificada pode-se afirmar que os desequilíbrios (as doenças) surgem em função da maior ou menor capacidade e flexibilidade que cada corpo tem de se adaptar às alterações do seu meio envolvente.

A terapêutica da Ayurveda procura primeiro compreender a pessoa em todas as suas dimensões, descortinando a sua constituição, e com base nela encontra estratégias que fomentem a resposta natural do corpo em função da sua Bioenergia, e quando isso não acontece, complementa com tratamentos mais profundos as funções do corpo usando a natureza exterior para reequilibrar a natureza interior. Em função da predominância dos elementos básicos a pele de cada Bioenergia apresenta diferentes características:

dryskinNo Vata (Éter e Ar) a pele tende a ser frágil, seca, e com o tempo a falta de hidratação desenvolve mais rapidamente a tendência a escamação, rugas e manchas acinzentadas. É fria ao toque e muitas vezes este tipo de pele é mais propensa a experimentar secura excessiva, podendo apresentar fissuras ou úlceras, descamação e até mesmo eczema em períodos de stress.

PITTA SKINNo Pitta (Água e Fogo) a pele é normalmente oleosa, húmida, clara ou pálida, suave, quente ao toque, com fragilidade capilar, tendência a manchas avermelhadas e mais suscetível a inflamações. Este tipo de pele, quando em desequilíbrio, é mais propenso a erupções cutâneas, dermatites, acne e feridas.

Kapha-SkinNo Kapha (Água e Terra) a pele é espessa, resistente, oleosa e bem lubrificada, pálida, normalmente muito leve e fresca ao toque. A pele do Kapha em desequilíbrio pode apresentar edema, sendo visíveis os poros dilatados, cravos e verrugas.

 

A Pele e Estilo de Vida

Alimentação o que a pele gosta

A água e os alimentos são a principal fonte de nutrição para a pele recomendando-se, por isso, uma alimentação com base na sua Constituição ou Bioenergia (dosha) para prover à pele todos os nutrientes específicos de que necessita para se manter em equilíbrio. A Ayurveda recomenda alimentos frescos e sazonais que respeitem a compatibilidade com o Biótipo e evitem a geração de toxinas alimentares que serão naturalmente excretadas pela pele.

Sono, Exercício e Meditação

Um sono recuperador é uma componente básica para uma pele irradiante, já que as noites mal dormidas ficam claramente estampadas no nosso rosto. Torna-se por isso fundamental criar um Ritual de Sono, que incluam cuidados com a pele. Pode-se usar uma infusão de camomila para limpar a pele do rosto, e prepará-la para o repouso hidratando-a com gel de aloé vera e óleo de coco (ou outro óleo de acordo com a constituição da pessoa).

Praticar uma atividade física tem um enorme impacto sobre a saúde e vitalidade da pele. A transpiração é fundamental para libertar impurezas e toxinas do organismo e que ficam retidas na nossa pele. Desta forma a prática de exercício físico que fomente a transpiração é uma excelente forma de potenciar o suor como mecanismo de eliminação. O Yoga é o exercício habitualmente recomendado pela Ayurveda, enfatizando-se a adequação das posturas (asanas) à constituição de cada pessoa. As técnicas de respiração consciente praticadas no Pranayama são também potenciadoras de equilíbrio, e fomentam no corpo a expressão da pele que respira.

Uma das funções do timo é coadjuvar no nosso crescimento, na nossa imunidade, e no nosso sentido de plenitude e bem-estar. A tendência natural desta glândula é para diminuir de tamanho e reduzir a sua ação. Contudo alguns estudos recentes mostram que a glândula desacelera a sua diminuição nos corpos daqueles que meditam. A vibração, textura e vitalidade da pele irradia também os cuidados que provemos à nossa mente, e aos nossos corpos mais subtis.

Cuidados específicos com a pele

A tendência para a secura torna a pele do Vata especialmente vulnerável a mudanças no clima. A pele Vata deve ser protegida do calor e frio extremos, sobretudo do vento, e cuidada com substâncias mais emolientes para reter a sua humidade e os seus óleos naturais. Devem-se evitar banhos de água muito quente e usar sabonetes com um pH equilibrado, além de beber muita água para que a hidratação ocorra de dentro para fora. Adicionar folhas de hortelã ao banho quente com bastante vapor para abrir os poros e aumentar a circulação. O abacate é rico em antioxidantes, ácidos gordos e vitamina E também é ótimo para a pele Vata. Assim, podemos aplicar o abacate esmagado sobre a pele para a hidratar por 15 a 20 min, e depois lavar a pasta no banho.

A pele do Pitta deve ser mantida fresca e hidratada já que é muito suscetível a erupções cutâneas. Entre os cuidados com a pele Pitta incluem-se evitar substâncias muito oleosas e densas, assim como a exagerada exposição ao sol. A limpeza com água de rosas, uma esfoliação de açúcar e mel e hidratação com óleo de coco são ótimas opções.

A densidade da pele Kapha beneficia de uma limpeza mais frequente com substâncias adstringentes, já que tem tendência à acne. É importante por isso evitar os laticínios na sua dieta, assim como moderar a sua exposição ao sol e ao vento. Esta pele é favorecida por uma boa esfoliação com sal marinho e mel, assim como pela adição de açafrão da índia na alimentação.

Nos cuidados gerais com a pele o primeiro passo é de limpeza e higienização aplicando-se água de rosas. De seguida é aconselhável aplicar um óleo adequado para hidratá-la. Em terceiro lugar é preciso que a pele transpire, para isso pode-se vaporizar a pele com ervas medicinais.

No quotidiano a pele deverá ser nutrida e limpa através da utilização de óleo vegetal, recomendando-se o coco e a grainha de uva para Pitta, as amêndoas doces e mostarda para Kapha, e óleo de sésamo e rícino para Vata. Para as pessoas com uma pele Pitta ou Kapha a nutrição com óleo deverá ocorrer mesmo antes do duche, usufruindo da água quente do duche para abrir os poros permitindo uma penetração mais profunda do óleo. Para a Vata a oleação deverá ocorrer após o duche. Sendo uma pele mais seca necessitará que o óleo permaneça no corpo durante mais tempo.

O quarto passo é esfoliar o rosto. A esfoliação deve ser feita de acordo com cada tipo de pele. Se a pele for do tipo Vata é aconselhável triturar e misturar aveia (cereal exfoliante e nutritivo), lentilha amarela (ou feijão mungdal), amêndoas (fruto seco nutritivo, humedecedor, hidratante e regenerador) e água de rosas. No caso de a pele ser Pitta deve-se triturar e misturar aveia, lentilha amarela, tulsi (planta com propriedades calmantes e de prevenção de doenças da pele) e água de rosas. Se a pele for Kapha, o conselho é triturar e misturar milho, lentilha amarela (ou feijão mungdal), neem (planta antifúngica), mel e água de flor de laranjeira. Quando a pessoa tem manchas na pele pode-se misturar e triturar açafrão e sumo de limão.

Depois de esfoliar é tempo de limpar e tonificar a pele com água de rosas. O sexto passo é só para as peles Vata e Pitta: pode-se aplicar uma máscara nutritiva feita com ghee (manteiga clarificada), banana e manga, ou então uma pasta de arroz cozido e ghee e deixar actuar durante 15 minutos. O sétimo passo prevê a nova aplicação de vários tipos de óleo com propriedades nutritivas e hidratantes de acordo com a bioenergia da pessoa.

Algumas receitas caseiras

Óleo de coco para hidratar a pele diariamente: utilize óleo de coco para hidratar o rosto. Além de causar uma sensação refrescante ele é leve, resultando numa pele hidratada, mas sem excessos. Aplique-o em pequenas quantidades, espalhando por toda a face. Deixe-o agir por alguns minutos e retire-o lavando o rosto.

Esfoliação com açúcar mascavado: este processo ajuda na renovação celular e na retenção da humidade natural da pele, deixando-a com uma aparência mais hidratada. Se desejar, misture com pétalas de rosas ou mesmo com o seu creme favorito.

Leite integral para acalmar e limpar o rosto: utilizando algodão, aplique leite integral por toda a sua face. O leite ajuda a remover impurezas impercetíveis a olho nu, garantindo brilho à sua pele.

Óleo de neem para acalmar pele irritada ou inflamada: utilize hastes flexíveis para aplicar o óleo na região inflamada ou irritada, deixando-o agir durante a noite. Além disso, é uma ótima opção como secativo de borbulhas e outros tipos de erupção cutânea.

Aloé Vera para tonificar a pele diariamente: muito utilizada para queimaduras solares, a Aloé Vera é um ótimo recurso para garantir tonicidade à pele. Ele amacia e rejuvenesce a pele.

turmericAçafrão-da-terra + sândalo contra acne: prepare uma pasta com 1 colher de açafrão-da-índia e 1 colher de sândalo adicionando água. Aplique em todo o rosto e deixe-a agir por 15 a 20 minutos. Passado este tempo, lave o rosto com água morna. Repita este procedimento diariamente para conseguir um bom controle da acne.

Batatas para diminuir manchas do rosto: ótimo clareador natural, a batata é considerada um dos melhores remédios ayurvédicos para uma pele com brilho natural. Basta esfregar gentilmente uma fatia de batata crua nos locais com manchas e hiperpigmentação.

Mel para hidratar a pele e evitar rugas: excelente humectante natural, o mel pode ajudar a conquistar uma pele mais macia e hidratada, além de ser muito útil para evitar rugas e tratar áreas de secura extrema. Basta aplicá-lo à região desejada, deixar agir por alguns minutos e retirá-lo com o auxílio de água morna e sabonete.

 

É importante lembrar, que segundo a Ayurveda, o corpo leva de 3 a 5 anos para se adaptar a mudanças de hábitos e a alterações climáticas. Por esse motivo sugere-se que as transições de estilo de vida sejam realizadas de forma suave e gradual, para potenciar os lentos processos de desintoxicação, entre mudanças, fomentado os sistemas naturais de purificação e saúde de forma consciente. Uma alimentação saudável aliada a um estilo de vida adequado resultará em beleza e longevidade em todo o corpo.

 

Fragrância e Benefícios do Cardamomo

O Cardamomo é uma das especiarias mais usadas e conhecidas da culinária indiana, sendo uma das bases do Garam Masala. É uma especiaria rica em aroma e propriedades terapêuticas, tornando-a uma das mais preciosas. O uso de cardamomo cresceu bastante desde o início do século XIX e, como medicamento, pode ser usado para refrescar a respiração, acalmar infeções e auxiliar a digestão. O óleo essencial e a oleorresina (uma mistura natural de resina e óleo) são usados em perfumes, e na cozinha o cardamomo é usado numa variedade de pratos de pratos principais, sopas, arroz e caril, sobremesas, bebidas e pastelaria.

Origens do Cardamomo

O cardamomo é uma das especiarias mais antigas do mundo. É nativa do oriente originária das florestas dos ghats ocidentais no sul da Índia, onde cresce selvagem. Também cresce no Sri Lanka, na Guatemala, na Indochina e na Tanzânia. Os antigos egípcios mastigavam sementes de cardamomo para limparem os dentes; os gregos e romanos usaram-no como perfume. Os Vikings encontraram o cardamomo em Constantinopla há cerca de mil anos, e introduziram-no na Escandinávia, onde permanece popular até hoje. Os árabes atribuíam-lhe qualidades afrodisíacas (que se apresentam regularmente nas Mil e uma Noites) e os antigos índios consideravam-na uma cura para a obesidade.

Cardamom11Existem duas variedades principais de cardamomo, planta remanescente da família das zingiberáceas (tal como o gengibre e a curcuma). O primeiro conhecido como Ellataria, e comumente referido como cardamomo verde ou verdadeiro, e é originário principalmente da Índia e da Malásia. A variedade Mysore contém níveis mais elevados de cineol e limonene e, portanto, é o Cardamomo mais aromático. As pequenas sementes pegajosas, de cor castanho-escura, estão contidas numa vagem em três filas duplas com cerca de seis sementes em cada fileira. O outro tipo cultivado na Ásia e Austrália faz parte do género Amomum, e tem vários nomes comuns, como cardamomo preto, cardamomo de Java, cardamomo de Bengala, Kravan, cardamomo branco, cardamomo siamês e cardamomo vermelho.

As sementes da fruta cardamomo são perfumadas e picantes, com um sabor alimonado e perfume forte. As vagens têm entre 5 e 20 mm de comprimento, sendo a variedade maior conhecida como “preta”. As vagens são aproximadamente triangulares em seção transversal, oval ou oblíqua. A sua superfície seca é áspera e sulcada, o cardamomo negro contém rugas profundas. A textura da vagem é de papel resistente. As vagens estão disponíveis inteiras, soltas ou moídas, contudo aprecia-se melhor o aroma moendo na hora já que o cardamomo perde o sabor rapidamente.

 

Cultivo do Cardamomo

Como membro da família do gengibre, o cardamomo cresce perenemente e produz vastas estruturas de raiz carnuda conhecidas como rizomas. Geralmente cresce em regiões montanhosas e florestas, tem folhas grandes, flores verdes e brancas com veias roxas, uma fruta comestível, mas ligeiramente amarga e sementes grandes. As plantas são reunidas em outubro-dezembro, antes de amadurecerem, para evitar que as cápsulas se partam durante a secagem. Elas são secas ao sol ou branqueadas com vapores de enxofre.

 

Valor nutricional e terapêutico do cardamomo

O cardamomo é altamente rico em manganês, além de ferro, fibras, cálcio, potássio, fósforo, enxofre, magnésio, vitamina C, vitamina A, zinco, riboflavina, etc. Ele também contém um óleo volátil composto de ácidos acético e fórmico. Esse óleo volátil, representa cerca de 5% da massa da semente e tem propriedades aromáticas e medicinais. Óleos como eugenol, ácido acético, alcanfor, terpinol, borneol, eucaliptol, limoneno, óleo essencial, pineno, sabineno, felandreno, terpineno, linalol, mirceno, etc. também formam uma grande composição do cardamomo. Estes óleos proporcionam propriedades antioxidantes, ajudam a melhorar a digestão, estimulam o metabolismo e desencorajam o crescimento de tumores.

As propriedades do cardamomo são inúmeras e incluem a ação analgésica, antisséptica, anti-inflamatória, anti-helmíntica, digestiva, estimulante, estomáquica, carminativa, purgativa, desintoxicante, emenagoga, diurética, diaforética, expetorante, laxante, tónico mental e sedante.

 

Cardamomo na Ayurveda

Cardamomo – Elettearia cardamomum Elaichi

cardamomoO cardamomo em excesso aumenta o Pitta, atenua o Vata e o Kapha. É um excelente estimulante digestivo, pois estimula o Samana Vayu, que está relacionado com o Chakra Manipura localizado no plexo solar. Desperta o baço, estimula o Agni (fogo digestivo) e remove o Kapha do estômago e dos pulmões. As suas qualidades são Sáttvicas, permitindo abrir e suavizar o fluxo de prana no corpo, proporcionando clareza, estimulando o coração e a mente. Na Ayurveda o cardamomo era conhecido por curar amplamente a tuberculose, distúrbios gastrointestinais e como um antídoto para o veneno de cobras e escorpiões.

É leve, seco, quente e aromático. É um purificador do sangue e da boca, sendo útil na tosse, falta de ar, doenças da garganta, flatulência, vómito, sede, febre, dores de cabeça, doenças do coração, toxemia. Deve ser evitado por mulheres grávidas. Melhora ao fogo digestivo. O chá e o óleo das sementes têm efeitos estimulantes, antioxidante, digestivo, carminativos e expetorante. É adequado para problemas urinários pois possui um efeito diurético. É também carminativo. Uma grama de pó de cardamomo dissolvida em álcool e água produz um efeito mais imediato. Pode também tomar-se juntando as sementes de um grão de cardamomo com água de coco. Para vómitos, para abrir o apetite e recuperar o paladar toma-se 1 gr de pó com mel 2 a 3 vezes ao dia. Tem um aroma mais floral e picante. Acrescenta profundidade a alimentos leves, como o arroz, e equilibra a doçura das sobremesas e a acidez do café. Melhora o caráter do chocolate e complementa a diversidade dos sabores em sopas.

Aroma: O cardamomo tem uma nota amadeirada, um tom cítrico semelhante ao gengibre, e um sabor mentolado/canforado. O cardamomo preto é mais abrupto, as sugestões de eucalipto e cânfora são muito pronunciadas.

Bouquet: picante, quente e aromático.

Sabor: adstringente, doce, picante

Escala de Picante: 2

Acção: VK- P+

Virya: Quente

 

Benefícios e Aplicações no quotidiano

Indian-Green-CardamomEstudos confirmam que o óleo de cardamomo atua como analgésico e anti-espasmódico. O cardamomo tem sido usado na Medicina Ayurvédica, Unani e Chinesa para tratar problemas gastrointestinais como cólicas estomacais, acidez, etc. O óleo de cardamomo ajuda a fortalecer o revestimento de muco no estômago e aumenta a taxa de geração de saliva. O forte revestimento do estômago resulta num aumento do apetite e a geração de saliva ajuda a esfriar o estômago, o que evita a acidez. Conhecem-se os seus benefícios no tratamento da bronquite, resfriados, prisão de ventre, tosse epilepsia, problemas de vesícula biliar, flatulência, dor de cabeça, azia, espasmos intestinais, Síndrome do cólon irritável, problemas de fígado.

O cardamomo tem sido usado para aliviar os seguintes desequilíbrios:

Dentes, gengivas, halitose e desordens orais

O cardamomo é amplamente utilizado no sul da Ásia para combater a cárie dentária, tratar as gengivas e outras doenças da boca. O cardamomo é um dos remédios mais eficazes contra a halitose. Mastigar simplesmente as sementes elimina os maus odores. Também pode ser usado para ajudar a aliviar a dor de garganta e aliviar a rouquidão da voz. O cardamomo deve ser fervido em água, usando-se a decocção para gargarejos.

Digestão

Geralmente, o cardamomo alivia a maior parte dos problemas estomacais. O óleo volátil do cardamomo tem provado acalmar o estômago e os intestinos, tornando o cardamomo uma solução ideal para uma série de problemas digestivos, como obstipação, disenteria, enjoos, falta de apetite, obstipação, indigestão, cólicas, diarreia, dispepsias, gastrites, má absorção, pirose e indigestão. Foi também já constatado a capacidade do cardamomo para combater a Helicobacter Pylori (bactéria associada a úlceras). O cardamomo pode ser usado aromaticamente para aumentar ou estimular o apetite, e também ajuda a acalmar a flatulência e a azia. Para ajudar nos problemas digestivos, pode-se mastigar as sementes, servir as sementes moídas com a comida ou sirva-las numa infusão.

Problemas urinários

Os sul-asiáticos usam as propriedades de alívio do cardamomo para ajudar com o desconforto de libertar as pedras na vesícula e nos rins. Condições médicas do trato urinário, como gonorreia, cistite, nefrite, etc, foram curadas com o uso de cardamomo na dieta. A composição única de óleo essencial do Cardamomo produz um fluxo sanguíneo saudável e uma desintoxicação corporal aprimorada que, por sua vez, permite que o corpo se recomponha das condições decorrentes do funcionamento anormal dos sistemas mencionados.

Depressão e Aromaterapia

Os óleos de cardamomo podem ser adicionados aos banhos como forma de aromaterapia que combate a depressão e reduz o stress. As sementes de cardamomo moídas podem ser transformadas em infusão com benefícios similares.

Prevenção de Cancro

O cardamomo contém IC3 (indol-3-carbinol) e DIM (diindolilmetano). Esses fitoquímicos são conhecidos combatentes do cancro, ajudando a prevenir cancros que respondem a hormonas, como o cancro de mama, cancro de ovário e cancro de próstata. Pesquisas iniciais sugerem que consumir cardamomo regularmente pode ajudar a prevenir essas formas de cancro.

Desintoxicação e Anti-envelhecimento

As toxinas que o corpo liberta como resultado das atividades metabólicas que ocorrem ao longo do dia precisam ser eliminadas do corpo. Se qualquer uma dessas toxinas permanecer no corpo por um tempo considerável elas darão origem a problemas como acúmulo de ácido úrico, envelhecimento prematuro, pedras nos rins, cancro, etc. O cardamomo contém uma abundância de antioxidantes, que protegem o corpo contra o envelhecimento e o stress, além de combater doenças comuns e conflitos corporais, agindo também como um agente desintoxicante que ajuda a libertar as toxinas do organismo.

Tensão alta

Pesquisas anteriores mostram que tomar cardamomo por via oral pode ajudar a reduzir a pressão arterial em pessoas com hipertensão recém-diagnosticada e não tratada. Acredita-se que o cardamomo ajuda a melhorar a circulação sanguínea nos pulmões.

Náuseas e vómitos

Náuseas e vómitos que podem ocorrer após a cirurgia. Pesquisas anteriores mostram que a aplicação de uma mistura de óleos essenciais de gengibre, cardamomo e estragão no pescoço após anestesia e cirurgia pode ajudar a aliviar a náusea e evitar o vómito por até 30 minutos em algumas pessoas. No entanto, o efeito parece variar dependendo do número de medicamentos eméticos que foram administrados durante a anestesia, ou como analgésicos durante e/ou após a cirurgia. Noutra pesquisa, respirar uma mistura de cardamomo, gengibre, hortelã e hortelã-pimenta de uma compressa de gaze após uma pequena cirurgia reduz a náusea e a quantidade de medicamento necessária para controlá-la.

Ajuda na perda de peso

Devido à composição do seu óleo essencial, o cardamomo aumenta a função metabólica do corpo, melhorando a circulação sanguínea e libertando o corpo de toxinas desnecessárias. Todos esses fatores combinados resultam numa taxa de combustão de gordura saudável, fazendo com que o corpo perca peso.

Insónia e ansiedade

Inalar o aroma característico do cardamomo, ou aplicar uma pequena quantidade de óleo de cardamomo ao redor do nariz ajuda a obter um sono saudável, e a inquietação durante a noite. Tem sido altamente eficiente no tratamento de condições de insónia e ansiedade.

Alivia a dor nas articulações

Devido às suas propriedades anti-inflamatórias, o cardamomo é altamente eficiente no alívio da dor muscular e articular. A pesquisa provou que o cardamomo desempenha um papel anti-espasmódico.

Melhora o desejo sexual

Devido às suas propriedades afrodisíacas, acredita-se que o cardamomo elimina problemas como a ejaculação precoce e a impotência. A composição aromática e substância única do cardamomo torna uma opção ideal, de baixo risco para tratar problemas relacionados com desequilíbrios sexuais.

Equilibra o açúcar no sangue

O cardamomo tem-se provado altamente eficiente no controle dos níveis elevados de açúcar no sangue. O alto teor de manganês presente no cardamomo ajuda a equilibrar o nível de açúcar no sangue.

 

Efeitos colaterais do cardamomo

São desconhecidas contraindicações no uso do cardamomo, contudo é aconselhável ser consumido moderadamente por grávidas, mulheres que estejam a amamentar, e pessoas que tenham desenvolvido intolerância. Pessoas que sofrem de cálculos biliares são desaconselhadas a consumir cardamomo inteiro, sendo mais seguro ingeri-lo em pó.

 

Cozinhar com Cardamomo

As vagens podem ser usadas inteiras ou abertas quando cozinhadas. As sementes também podem ser esmagadas e fritas antes de adicionarem os ingredientes principais, com outras especiarias. Mantenha as vagens inteiras até o uso. A casca da vagem tem um sabor neutro e não é geralmente utilizada, conferindo um sabor amargo quando deixada na confecção.

O cardamomo é usado principalmente no Oriente Próximo e Extremo. Surge no Ocidente nos biscoitos “moinho de vento” holandeses e bolos e doces de estilo escandinavo, e em akvavit. Caracteriza o caril, é essencial em pilaus (pratos de arroz) e dá caráter a pratos de lentilhas. O cardamomo é frequentemente incluído em pratos e bebidas indianas doces.

Serve como antídoto para vários alimentos, nomeadamente doces, café, chocolate, chá, arroz, e outros cereais. Através das propriedades do seu óleo, o cardamomo compensa o desequilíbrio digestivo gerando pela ingestão deste tipo de alimentos, tornando a sua assimilação facilitada.

Mantraterapia: Som, Vibração e Energia

O som é a ferramenta natural mais simples e capaz de alterar o nosso estado de espírito, o nosso humor e o das pessoas e ambiente à nossa volta. No ventre, o som, a vibração da voz da nossa mãe, o seu ritmo cardíaco, as suas ondas emocionais, a orquestra dos seus órgãos em funcionamento, das células que nascem e morrem, começaram por ser o nosso primeiro contacto com a riqueza vibracional do mundo exterior. A vibração sonora é a matéria prima com que criamos a nossa biblioteca de memórias, interiorizamos escalas de emoções, e geramos os primeiros padrões da nossa inteligência emocional, armazenando e edificando um conhecimento baseado nas entoações e expressões usadas pelos nossos pais e cuidadores, construindo assim a estrutura do nosso léxico emocional.

Esse léxico vibracional e emocional tem lugar cativo nas nossas moléculas de água, e torna-se uma parte estruturada e inconsciente dos nossos padrões de emoção e reação. Mimetizamos as expressões e entoações dos nossos ancestrais reproduzindo um património de memórias acumuladas pela nossa genealogia específica, que conseguimos reativar através da reverberação da nossa (imensa) água interna. Cada pessoa herda assim uma escala específica de sons agregados por gerações, que se exprime em parte através da frase melódica que constitui o nosso nome. O nosso nome (completo) exprime tanto essa tremenda memória vibracional (nos apelidos) como adiciona o nosso padrão único de vibração (os nomes próprios), complementado pela sinfonia do nosso corpo em pleno funcionamento. O nosso nome é o nosso mantra pessoal!  Assim, a personalidade pode também ser definida pela forma única como vibramos e criamos padrões eletromagnéticos diferenciados, transmitindo uma impressão singular, ímpar, identificadora da nossa unicidade.

Dar corpo à Voz

Tudo à nossa volta gera ondas, reação, vibração. Tudo vibra de facto. O corpo humano é uma caixa de som, um aparelho de ressonância capaz de produzir uma escala de 52 sons essenciais que constituem a base as frequências verbais. A palavra falada, apesar de emitida ao nível da garganta, reverbera pelo o nosso corpo inteiro. Falamos com o corpo todo.

WhiteTaraMantraCircleOs Vedas – as escrituras sagradas do Hinduísmo – foram escritos em versos, cânticos tradicionalmente transmitidos na sua versão oral, que mantinham assim viva a mensagem da Criação, e ativavam o poder terapêutico das palavras neles contidas. Os mantras contidos nos Vedas tinham – para além do seu intuito educativo e religioso – a intenção de reorganizarem o padrão vibracional daquele que os recitasse devolvendo-lhe assim a sua clareza mental, a sua homeostase, a sua saúde.

Quando cantamos ou falamos criamos som, vibração, estímulos que por sua vez criam mudanças no fluxo de energia dentro dos órgãos vitais e nas glândulas. Existem sons que associamos a determinados estados emocionais, e a reprodução desses sons induz à sensação a eles aliada. Da mesma forma, a estrutura da nossa personalidade e do nosso ego cristalizou determinados padrões vibratórios com os quais ressoa, padrões mais sombrios e tóxicos formados em momentos em que sofremos algum tipo de transtorno emocional, gerando muitas vezes crenças limitadoras sedimentadas, e no corpo físico, patologia. No processo de interromper esses padrões vibratórios, diluirmos dramas cristalizados e libertarmo-nos de memórias trazendo-as à consciência, podemos usar a mantraterapia.

A palavra tem um poder criativo muito próprio; tanto pode ser edificadora como destrutiva. A Mantraterapia tem subjacente a intenção de se usar o poder regenerador da palavra viva, activa, consciente que faz vibrar centros específicos no corpo, abrindo espaço à mudança e à libertação dos nossos padrões inconscientes.

A Mantraterapia faz parte dos primórdios terapêuticos da Ayurveda enquadrando-a também como uma Medicina Vibracional. O Mantra gera foco na mente, e potencializa uma atitude concentrada, equilibrada, Presente no seu praticante.

A prática da Mantraterapia pode ser coadjuvada pelo uso de um japa mala – um colar semelhante a um rosário que instiga ao foco e à presença – contando com 108 contas, ou seja, as vezes que o mantra deve ser repetido, tanto sussurrado, cantado, ou recantado mentalmente. A repetição de um mantra terapêutico vai limpando a memória cristalizada e sombria, reprogramando-a com uma mensagem mais positiva, saudável, feliz.

Os sábios praticantes e transmissores da Mantraterapia consideravam a pronúncia e articulação correta das palavras, fundamental para o efeito pleno da sua ação, reforçando um carácter mágico, transcendente na atuação do mantra no corpo e na mente. Felizmente existem também Mestres que enfatizam que a intenção e a pureza da mente daquele que pratica a Mantraterapia, ressalvando a sua atuação e eficiência em quem pratica focado no coração. Mentes que vibram de forma mais focalizada e feliz produzem harmonia e equilíbrio à sua volta.

Mantraterapia no quotidiano: Quem canta seus males espanta

Cantar de peito aberto, cantar com a Alma, cantar de plenos pulmões. Quando cantamos com o coração, o nosso esterno tem tendência a vibrar. Essa vibração aumenta a eficiência do mantra sobre os nossos órgãos vitais que acolhem as ondas vibratórias curativas, e reajustam o pulsar da sua atividade para um ritmo mais equilibrado.

Na mente, o mantra tem uma atuação ainda mais significativa já que – à semelhança da Meditação, e em confluência com ela – ele ajuda a produzir estados alterados de consciência, serenando a mente, evitando que ela disperse em cadeias de pensamento inúteis, ao mesmo tempo que a eleva e a sintoniza com a sua paz interior.

Existem mantras construídos desde de tempos imemoriais, constituídos por arranjos de sílabas sagradas, variando de uma até vários milhares de sílabas. Muitos desses mantras são aparentemente vazios de sentido, pois a sua intenção é evitar a promoção de pensamentos conceptuais, possuindo antes uma relação misteriosa com o estado vibratório e a consciência de quem os usa.

Os mantras são profundamente adequados ao uso quotidiano, podendo estar presentes desde que despertamos, no banho, na intenção que damos ao alimento quando o cozinhamos, quando conduzimos, e obviamente, quando meditamos. A sua ativação é mais intensa quando colocamos uma intenção na sua entoação, e tanto os podemos cantar em voz alta, sussurrá-los, como repeti-los mentalmente. Podemos dirigir o som e a vibração para uma zona específica do nosso corpo, através da nossa intenção, e é a sua repetição que realmente proporciona reverberações que ajudam a renovar tecidos e a revigorar o corpo e a mente.

Alguns exemplos de mantras ancestrais e atuais:

OM SYMBOL

OM

“No princípio era o Verbo (OM), e o Verbo estava com Deus (Brahman), e o Verbo era Deus… Todas as coisas foram feitas por intermédio Dele, e sem Ele nada do que foi feito se fez. (João 1.1-3).” Nas escrituras védicas aprendemos que o mantra original é o OM, formado pelas três letras A, U, M; significando: Brahma, Vishnu, Shiva – o princípio da criação, manutenção e dissolução (ou absorção) do Universo. A partir do Om nascem todos os outros mantras. Os mantras monossilábicos são chamados de bijas (semente), e o Om é o bija, a fonte dos restantes bijas. Diz-se atualmente que o Om tem a vibração 8Hz, semelhante à Ressonância Schumann (7,83Hz), ressonância em que vibra o campo eletromagnético no nosso planeta.

om mani

 

OM MANI PADME HUM (tibetano) – mantra para harmonizar os Chakras e iluminação

 

om tare tutare soha

 

OM TARE TUTTARE TURE SOHA (tibetano) – produz modificações no nosso interior e em todo o universo à nossa volta, para além de ser um mantra de cura

mahamantra Hare Krishna

Hare Krishna Hare Krishna Krishna Krishna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare  Hare (sânscrito) – Chamado de Mahamantra, o Grande Mantra, evoca pureza mental e o mérito (punya) necessários para que a pessoa possa encontrar um bom professor e tenha a capacidade de entender os seus ensinamentos.

 

gayatri-mantraO Gayatri Mantra é um dos mantras mais conhecidos e usados na Índia, porque é considerado o mais poderoso e criativo, servindo para todos os propósitos. Para além disso ele promove o desenvolvimento do siddhi (poder) da cura:

OM BHUR BHUVAH SWAH, TAT SAVITUR VARENYAM, BHARGO DEVASYA DHI MAHI, DHIYO YO NA PRACHODAYAT

ho_oponopono2copyMantra Ho’oponopono adaptado ao Abraço da Paz:

Este é o mantra da aceitação e do perdão hawaiano e pode ser aplicado a nós mesmos, e/ou a pessoas, situações que necessitem que pratiquemos a energia do perdão e do desapego.

EU AMO-ME (Eu Amo-te), EU PERDOO-ME (Eu Perdoo-te), EU AGRADEÇO-ME (Eu Agradeço-te), EU RESPEITO-ME (Eu Respeito-te), EU LIBERTO-ME (Eu Liberto-te), EU ACEITO-ME TAL COMO EU SOU (Eu Aceito-te tal como Tu És)

A Grande Invocação, e o cristal de água por ela produzido:

O propósito último do mantra é assistir o trabalho interior de quem já escolheu encontrar-se com a sua própria divindade. Nesse caminho podemos criar no quotidiano as nossas próprias afirmações, os nossos próprios mantras: “Eu Sou o meu próprio Centro”, “Eu Sou Serenidade”, “Eu Sou Amor”, “Eu Sou”

Mente e Mantra

O nosso cérebro é capaz de segregar muitos dos químicos utilizados externamente em tratamentos médicos. A utilização dos químicos baseia-me na intenção de estimular ou substituir algumas dos químicos naturais produzidos pelo cérebro, melhorando e incrementando o seu funcionamento. As secreções naturais do cérebro produzem com simplicidade bem-estar, saúde e uma sensação geral de serenidade. Nas práticas do Yoga e Ayurveda a promoção dessas secreções salutares é estimulada através de algumas ervas, alimentos especiais, pranayama, posturas, meditação e mantras.

dhanwantariNo Ayurveda, a secreção gerada por uma mente harmonizada é denominada de amrita –  o nosso néctar imortal, elixir da longevidade, uma água subtil e purificada, capaz de renovar, rejuvenescer e revitalizar o corpo e a mente, criando um fluxo de bem-aventurança e bem-estar, movendo-se através dos nadis ou canais do corpo sutil e pelo sistema nervoso, preenchendo-os com uma sensação de êxtase e bem-estar. Esta substância aparece associada a um subdosha de Kapha, Tarpak Kapha que por sua vez surge associado ao conceito de Ojas, a essência de todos os tecidos, concentrando força, nutrição e vitalidade. O amrita é o produto de uma mente limpa, de uma consciência evoluída, em ressonância com o Universo.

Por detrás de todas as práticas da rotina diária no Ayurveda está o foco na promoção de um corpo saudável, uma mente lúcida, criativa, e uma consciência desperta, disponível para incrementar a paz em torno de si, a partir da partilha da sua própria experiência. A abordagem ancestral e visionária do Ayurveda baseia-se na contemplação da Natureza e do seu reflexo e impacto no Homem, e uma forma clara e compreensível de fomentarmos a felicidade quotidiana, está na assunção da responsabilidade de treinarmos os nossos pensamentos, a nossa mente, o curso das nossas intenções utilizando uma técnica revolucionariamente simples: o Mantra.

Webgrafia e Bibliografia:
https://liveanddare.com/mantra-meditation
http://www.masaru-emoto.net/english/water-crystal.html
http://collectivepsyche.com/2015/11/cymatics-mantra-tapping-into-matter-with-sound-vibrations/
http://www.cymatronsoundhealing.com/science-of-cymatics.html
http://www.hazrat-inayat-khan.org/php/views.php?h1=11&h2=7&h3=6
http://balance.chakrahealingsounds.com/om-solfeggio-schumann-resonance-meditations/
Soma in Yoga and Ayurveda (David Frawley, Lotus Press 2012)

 

Ayurveda e a Primavera

IMG_20180322_160728_403O nosso corpo é profundamente atmosférico, refletindo todas as mudanças que se vão operando na Natureza. Na Primavera, a temperatura começa a subir ligeiramente, a neve derrete-se, os rios começam a fluir, as flores brotam e florescem, e toda a vida adormecida no Inverno desperta, dando lugar à cor, ao brilho, à alegria, aos sons da Natureza.

O Kapha (muco) acumulado durante o Inverno começa também a liquefazer-se, e a espalhar-se pelo corpo. Esse processo enfraquece o sistema digestivo – o agni – propiciando o surgimento de várias doenças típicas desta altura do ano, como resfriados, sinusites, rinites, febre dos fenos, e alergias a pólen e outras. A Primavera torna-se assim a estação da limpeza, em que somos convidados a libertar-nos do Kapha e da ama (alimento não digerido e toxinas alimentares) que acumulámos durante o Inverno. Esta limpeza ajuda a reavivar o agni (fogo interno) e a prevenir as doenças típicas da estação.

Panchakarma

Tradicionalmente na Primavera, o processo de limpeza profunda e rejuvenescimento – o Panchakarma – está focado no Nasya (limpeza profunda das vias aéreas), gargarejos, Vamana (vómito induzido por eméticos), exercícios, inalações (dopamana), tratamentos estes habitualmente realizados com o suporte de um terapeuta ou médico. Quando o Kapha acumulado durante o Inverno permanece no corpo sem a devida limpeza, a inércia física, emocional, mental e até espiritual tenderá a aumentar, tornando o nosso raciocínio mais lento, pesado, pouco reativo e muito propenso a outros desequilíbrios.

Alimentação de suporte para a Primavera

Na Primavera torna-se necessário ajustarmos a nossa rotina diária às horas solares crescentes, assim como adequar a nossa alimentação à mudança de estação. Com o maior número de horas de Sol o nosso apetite começa a mudar naturalmente, declinando lentamente a vontade de ingerir alimentos pesados, e aumentando o pedido por alimentos mais leves, como frutas, saladas, sumos e mais fluidos. O corpo pede uma limpeza também através da alimentação.

É uma estação que aumenta o Kapha e os mucos irão aparecer para construir o corpo. Deve-se evitar uma alimentação pesada e gordurosa; evitar os sabores ácido, doce, salgado. Deverão ser favorecidos os sabores picante, ácido e adstringente. O sabor adstringente é formado por Ar e Terra, e quando ingerido ele proporciona a secagem do Kapha acumulado.

No Charaka Samhita, Charak (um dos reverenciados sábios criadores da Medicina Ayurvédica) recomenda que na Primavera se evitem dietas pesadas (Guru), untuosas (Snigdha), ácidas (Amla) e doces (Madhura), pois esses alimentos aumentam a acumulação de muco e o peso no corpo. Em vez disso, devemos favorecer alimentos mais leves, mais secos e mais picantes. Outro grande médico ayurvédico, Vagbhata menciona que o alimento deve ser facilmente digerível, leve (Laghu), sem gordura e seco (Ruksha) ou sem humidade. Isso ajuda a equilibrar o Kapha e a regular os níveis de humidade. Estes alimentos abrem os canais de eliminação, facilitando o processo de purificação.

Nos textos antigos recomenda-se que na Primavera se faça uso de grãos envelhecidos (colhidos há pelo menos um ano atrás) como Yava (cevada), Godhuma (trigo) e Kshaudrya (mel) com água morna. Sumos frescos de frutas sazonais, bebidas intactas como asava (infusões fermentadas), arishta (decocções fermentadas), sidhu (sumo de cana fermentado), mridvika (sumo de uva fermentado ou vinho), madhava e água cozida com extratos de árvores como Asana (kino indígena), candana (sândalo). Nos dias de hoje fazemos adaptações a esta recomendações que são igualmente válidas.

A maioria das pessoas necessitará de pequenas quantidades de alimentos antes das dez da manhã e depois das seis da tarde, não devendo fazer refeições pesadas à noite. As pessoas saudáveis deverão jejuar uma vez por semana, e fazer a sua maior refeição ao meio-dia, quando o Sol está no pino suportando uma eficiente digestão de alimentos mais complexos, como as proteínas. Deve-se dar preferência a comida fresca, evitando-se os requentados. Evitar frutas e vegetais que estão fora da época, assim como congelados e importados.

 

Pequeno-almoço

Comece o dia com um café da manhã leve de frutas frescas, chá e rebentos levemente cozidos.

Almoço e jantar

O almoço e o jantar podem ser feitos com legumes levemente cozidos, vegetais e grãos cozidos no vapor. Faça uso de vegetais amargos como couve, folhas de feno-grego, repolho, couve-flor, brócolos, feijão, cebola, gengibre e alho. Tenha mais alimentos adstringentes, pungentes e amargos. O uso da maioria das especiarias na culinária será benéfico.

Alimentos para a Primavera

LACTICÍNIOS Leite de cabra, de vaca magro, de arroz e amêndoa, sempre condimentados como no Leite Dourado.
ADOÇANTES Mel cru e envelhecido e jaggery
ÓLEOS Girassol, açafrão, mostarda, azeite, arroz e ghee moderadamente
CEREAIS Cevada, milho, trigo-sarraceno, milho-miúdo, centeio, arroz, quinoa, millet
LEGUMINDOSAS Feijão azuki, feijão, feijão mungo, toor dal, lentilhas
FRUTOS Romãs, diospiros, arando, mirtilos, peras, maçãs, kiwis, frutos secos, toranjas, limões, limas, morangos, cocos, papaia
VEGETAIS Brócolos, couve, cenouras, batatas, saladas, ervilhas, nabos, salsa, alcachofras, espargos, chili, rábanos, espinafres, rebentos, alfafa, agriões, cebolas, abóboras, beterraba, batata, alho, cebola, curgete, aipo, couve-flor,pimentões, pimentos verdes, vegetais crus
NOZES/SEMENTES Girassol, abóbora, nozes, milho (pipocas)
CONDIMENTOS/ERVAS Pimentões verdes, pimenta preta, sal de rocha, cardamomo, canela, açafrão, coentro, cominho, sementes de mostarda, açafrão, assafétida, cravo-da-índia, pó de gengibre seco, sementes de aneto e erva-doce. Todas exceto o sal.
BEBIDAS Sumos vegetais, água quente, infusões de ervas: cravo, gengibre, canela, dente-de-leão, raiz de chicória, tulsi (manjericão sagrado)
PROD. ANIMAIS Frango, peru, coelho, peixes de água doce e camarão

Na Primavera deve-se minimizar:

  • Vegetais pesados ​​como batata-doce, abóbora, abacate e pepino.
  • Evite comer demais ou tomar refeições entre as refeições.
  • Alimentos pesados, fritos, reaquecidos, enlatados, alimentos congelados.
  • Diminuir a ingestão de gostos doces, ácidos e salgados.
  • Evite frutas pesadas como laranjas, bananas, abacaxi, tâmaras, melões e mangas.
  • Coma menos carne vermelha, especialmente carne e porco. Também coma menos frutos do mar que aumentam o Kapha.
  • Evite alimentos frios e difíceis de digerir, como gelados, alimentos refrigerados e bebidas refrigeradas.

Dinacharya – Rotina Diária Primaveril recomendada

Será benéfico seguir um estilo de vida com exercícios físicos, aromaterapia, fazer gargarejos com elementos de sabor picante e salgado. As mulheres devem adquirir perfumes. Idealmente começaremos o dia por despertar por volta das 6 da manhã. Refresque-se, escove os dentes, raspe a língua e coloque um pouco de óleo nasal (pode ser de sésamo) nas narinas.

De seguida aqueça um pouco de óleo de sésamo e faça uma auto-massagem. Pode-se optar por se fazer uma massagem com pó seco (udwarthanam) – que seca o Kapha –  ou ungir o corpo com uma pasta de Canada (sândalo), Agaru (Agarwood) e Triphala em pó e esfregar suavemente sobre o corpo. Após a massagem tome um banho de água morna.

Tanto o Charak quanto Vagbhata mencionaram nos seus respetivos textos que a Primavera é um momento ideal para começar a remover a estagnação do Inverno. Uma caminhada rápida ou yoga é ideal logo pela manhã. Mencionam também que é adequado passar-se uma parte do dia no jardim, na companhia de amigos, podendo-se jogar jogos agradáveis ​​ou passatempos, e contar histórias em locais onde exista uma brisa fresca e corpos de água. Desfrutar-se do chilrear dos pássaros e do doce cheiro a flores. Faça pelo menos uma caminhada agradável de pelo menos 15 minutos, com amigos após o almoço.

Deve-se evitar dormir durante o dia deve ser evitado durante a Primavera, pois aumentará o kapha no corpo, levando à diminuição do agni (fogo digestivo) e a doenças relacionadas com o kapha.

Exercícios recomendados na Primavera

O exercício pode ser favorável para combater o peso da estação. Qualquer tipo de atividade física irá aumentar o calor do corpo, melhorar a circulação e promovendo a sudação, dando uma leveza ao corpo que ajudará a equilibrar o Kapha. Na escolha do exercício físico é importante ter em mente a força e a constituição do corpo em todos os momentos. Recomenda-se jogging, ciclismo, yoga, natação ou caminhadas. Procurar fazer a atividade física pela manhã entre as horas das 6 e as 10h.

O Yoga na Primavera coloca o foco sobre a limpeza dos pulmões, o aquecimento do corpo, o alongamento dos músculos e a realização das posturas de acordo com a força do corpo. São recomendadas as seguintes asanas (posturas):

  • Saudação ao Sol
  • Postura do Guerreiro I, II + Inversa
  • Curvaturas para frente + Curvaturas para trás
  • Postura da Cobra
  • Postura do Dançarino
  • Variação do abdómen virado
  • Postura da Vaca
  • Pranayamas Bhastrika + Kapalbhati
  • No final da sessão de yoga, faça Savasana (postura do cadáver) para relaxar a mente e o corpo.

Fitoterapia para a Primavera

A alteração atmosférica que ocorre entre o Inverno e a Primavera torna o corpo suscetível a desequilíbrios. Na Ayurveda são feitas algumas recomendações fitoterápicas na rotina diária para prevenir estes desequilíbrios:

  • Tomar uma colher de chá de Chyawanprash pela manhã que dá suporte ao sistema imunitário.
  • Para limpar o congestionamento nos pulmões, pode-se tomar ¼ colher de chá de pó de pippali (pimenta longa) com mel, uma ou duas vezes por dia.
  • Uma pitada de pó de curcuma (açafrão da índia) pode ser tomada com leite morno ou leite de amêndoa para sustentar o sistema imunitário e promover um bom sono.
  • Uma colher de chá de pó de Triphala com água morna pode ser tomada à noite para limpar o corpo de toxinas e gerar uma digestão saudável.
  • Desfrutar de infusões picantes de ervas como a Tulsi, gengibre, canela e pimenta preta para sustentar a força digestiva e remover o excesso de Kapha.

O aroma terapêutico da Canela

cinnamon-stick-500x500Conhecida desde tempos imemoriais, pela maravilhosa capacidade de melhorar o aroma de quase qualquer alimento, a Canela chegou a ser mais valiosa que Ouro, numa altura em que este abundava, e a Caneleira era menos acessível. A Canela tornou-se assim uma referência na nossa culinária, e obrigatória na nossa cozinha.

Oriunda do Sri Lanka, Índia, Indonésia, Ceilão e Birmânia, a caneleira é uma árvore de porte médio e é do seu interior que são extraídos pequenos ramos enrolados, que tanto são usados tanto em pau como em pó. O aroma da canela deriva do cinnamaldeído, um óleo essencial encontrado na casca de canela. Conhecido em sânscrito como twak, em Hindi como dalchini, e em Gujarati como taj, a canela tem uma longa história de uso em remédios caseiros ayurvédicos. Os egípcios usavam-na para perfumar durante o processo de embalsamamento, e foi até mesmo mencionada no Antigo Testamento como um ingrediente no óleo da santa unção. Os árabes trouxeram-na para a Europa, onde ficou igualmente popular, transportaram-na através das rotas terrestres. A canela era particularmente desejada uma vez que pode ser utilizada como um conservante para a carne durante o inverno. Apesar do seu uso generalizado, as origens da canela foram bem guardadas em segredo pelos mercadores árabes, até ao início do século XVI.

 

Hoje em dia, geralmente encontram-se dois tipos de canela: canela de origem Cassia canela é produzida principalmente na Indonésia e tem o cheiro forte e sabor das duas variedades. Esta variedade mais barata é o que se costuma comprar em supermercados para uso culinário, e contém grandes doses de cumarina composta que alguns efeitos colaterais indesejáveis, tais como aumento da frequência cardíaca e problemas no fígado e nos rins. A canela do Ceilão mais cara, é produzida sobretudo no Sri Lanka, é a que transmite verdadeiros benefícios para a saúde, tem um sabor mais suave, mais doce e é usada para assar e aromatizar bebidas quentes, como café ou chocolate quente.

Muito para além do delicioso aroma que ela proporciona às iguarias nas quais a adicionamos, a Canela possui – como todas as ervas e especiarias – uma ação terapêutica, sendo usada regularmente nos tratamentos e na alimentação ayurvédica, por essa mesma razão.

Caneleira – Cinnamonum Zeylanicum Nees

Canela – Cinnamomum aromaticum

Em termos ayurvédicos, canela pacifica o Vata e o Kapha, mas pode agravar o dosha de Pitta se tomada em excesso. Tem um rasa doce, pungente e amargo, um virya quente, e tem um vipak picante. É oleosa. Utiliza-se a casca. Pela destilação prolongada de suas folhas obtém-se um óleo avermelhado que funciona como um tónico excelente, quando aplicado com massagens suaves.

Cria o calor interno e tem uma acção de limpeza natural, que é por isso que é um remédio caseiro muito utilizado para gripes e constipações, e auxilia na absorção de outros medicamentos. É uma planta com efeito excitante, diaforética, anti-espasmódica, digestiva, antioxidante e aromática; ajuda a prevenir osteoporose, a controlar a pressão sanguínea e a aliviar sintomas da menopausa. Promotora de saúde para tratar resfriados, diabetes, indigestão e colesterol alto.

Indicada no tratamento do escorbuto, de escrófulas (tuberculose ganglionar linfática), digestão difícil e outras afecções do estômago, na leucorreia e febres adinâmicas. Estimula o trabalho do coração e eleva a pressão sanguínea. É usada externamente em fricções para eliminar certos germes que atacam o couro cabeludo. Eficaz para fortalecer e harmonizar o fluxo sanguíneo. Indicada na inapetência, náuseas e vómitos. É diurética e estimulante do sistema nervoso.

Na alimentação:

Para reduzir as propriedades fomentadoras de Kapha em alimentos como o arroz, aveia e outros carboidratos, adicione canela.

Pode ser usada como pacificadora dos efeitos colaterais do café, chá, chocolate.

Aqui estão alguns remédios caseiros ayurvédicos comuns para canela:

Colesterol LDL: tome ½ colher de chá de canela diariamente para prevenir.

Diarreia e Desinteria: toma-se três vezes ao dia, 1 gr de pó de canela com gengibre seco, cravinho e noz-moscada, em partes iguais, misturados em água quente. Ou combine ½ colher de chá de canela em pó, uma pitada de noz-moscada, ½ chavena de iogurte e consuma esta combinação duas a três vezes por dia.

Dor de cabeça sinusal (sinusite): faça uma pasta de ½ colher de chá de canela e água e aplique topicamente.

Flatulência, Falta de apetite e má digestão: misturar gengibre seco, casca de canela e cardamomo em pó e triturar. Ingerir 1 a 2 g antes das refeições.

Gripes, constipações, dores menstruais e TPM: fazer a decocção de 3 partes de gengibre, 3 partes de canela e 1 parte de cravo, todos em pó. Colocar em água e ferver em torno de 5 a 10 minutos. Tomar 1 chávena de 4/4 horas. Ou combine ½ colher de chá de canela e 1 colher de chá de mel cru e não cozido e tome duas ou três vezes por dia.

Pasta dentífrica: 1 gr de pó de canela com gengibre seco, cravinho e noz-moscada, em partes iguais, adicionando-se também cânfora, e outras plantas e barro para unir.

Tosse, resfriado e dor de garganta: ferver paus de canela em água e inalar o vapor.

Pesquisas:

Um excelente benefício da canela é a sua eficácia na regulação do açúcar no sangue. Um dos estudos iniciais foi publicado na revista Diabetes Care, em 2003. Sessenta pessoas com diabetes tipo 2 consumiram diariamente 1, 3 ou 6 gramas de canela por dia (equivalente a ¼ – 1 colher de chá). Após quarenta dias, as três quantidades de canela reduziram os níveis de glicemia em jejum dos indivíduos entre 18 a 29%, o colesterol LDL (o mau colesterol) em 7 a 27%, o colesterol total em 12-26% e os seus triglicerídeos em 23 – 30%.

O Journal of Diabetic Medicine publicou uma pesquisa em que os indivíduos que tomaram suplementos de canela apresentaram uma melhoria significativa nos seus níveis de glicose no sangue, em comparação com aqueles que tomaram medicamentos regulares para diabetes.

A Universidade de Copenhague realizou um estudo com pacientes com artrite e administrou ½ colher de chá de canela em pó com 1 colher de sopa de mel crua todas as manhãs antes do pequeno-almoço. Esses pacientes experimentaram uma redução notável na dor após uma semana e foram capazes de caminhar sem dor num mês.

Investigadores da Universidade Estadual do Kansas descobriram que a canela combate a bactéria E. coli em sumos não pasteurizados. Estudos descobriram que possui propriedades antibacterianas e antifúngicas. É ativa contra Candida albicans, o fungo responsável pelas infeções por levedura e Helicobacter pylori, a bactéria que causa úlceras no estômago. O Departamento de Agricultura dos EUA em Maryland publicou um estudo que mostra como a canela reduziu a proliferação de células de cancro de leucemia e linfoma.

O uso espiritual da Canela

Dependendo da sua conexão espiritual, a canelam convida o sucesso e dá-lhe o poder de realizar mudanças.

A casca da canela pode ser usada como incenso elevando as vibrações espirituais da casa e fortalecendo as propriedades de qualquer erva usada em conjunto com ela, para além de ajudar a desenvolver as habilidades psíquicas e espirituais. Combinada com sândalo ajuda a trazer clareza às nossas ideias.

O óleo de canela é um dos óleos aromáticos mais antigos e foi mencionado no Antigo Testamento, sendo usado em poções de amor, aplicadas em banhos, vestuário ou espaços.

A canela também pode ser usada como proteção, espalhando um pouco de pó pelos cantos da casa.

 

Webgrafia:

https://vedichealing.com/cinnamon-the-ancient-healing-spice/

http://www.beneficiosdacanela.com/a-canela-e-boa-para-a-saude/

http://www.beneficiosdacanela.com/propriedades-medicinais-da-canela/

http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/canela-da-india.html#.VEfFQiLF9e8

http://tvl.pt/2013/12/06/tao-natural-20131206-a-medicina-ayurveda-e-a-canela-a-pimenta-e-o-gengibre/

http://www.hierbitas.com/nombrecomun/CANELA.htm

http://www.saladeayurveda.com/2010/01/farmacia-na-cozinha-parte-i.html

http://www.outramedicina.com/100/beneficios-da-canela

http://www.alimentacaosaudavel.org/canela.html

 

“The Complete Illustrated Encyclopedia of Magical Plants,” Susan Gregg